PUBLICIDADE
Topo

Política

Barroso envia à PGR pedido de apuração sobre mentiras de Bolsonaro em live

Luis Roberto Barroso quer que PGR apure se Bolsonaro cometeu crime durante sua live de quinta-feira - Reprodução
Luis Roberto Barroso quer que PGR apure se Bolsonaro cometeu crime durante sua live de quinta-feira Imagem: Reprodução

Weudson Ribeiro

Colaboração para o UOL, em Brasília

25/10/2021 21h26Atualizada em 26/10/2021 03h00

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Luís Roberto Barroso enviou hoje à Procuradoria-Geral da República (PGR) um pedido de investigação sobre a live em que o presidente Jair Bolsonaro associou vacinas da covid-19 a um o risco de contrair Aids.

A PGR deverá avaliar se há elementos para pedir abertura de inquérito para apurar o caso.

O ministro foi indicado relator de uma ação apresentada por parlamentares de PSOL e PDT após a associação sem respaldo científico proferida por Bolsonaro na quinta-feira passada.

Na ação enviada ao STF, os parlamentares afirmam que o fato de Bolsonaro disseminar mentiras sobre a vacinação é um "desrespeito" com as famílias que tiveram perdas de entes pela covid-19. "O presidente da República mentir sobre a vacinação —utilizando um site de notícias falsas —além de um ato criminoso, é um absoluto desrespeito para com o país e com as famílias enlutadas", escreveram.

Durante a live, Bolsonaro citou inexistentes "relatórios oficiais" no Reino Unido para afirmar que pessoas vacinadas têm mais facilidade para desenvolver a doença provocada pelo vírus HIV. Ontem, o Facebook e o Instagram retiraram o vídeo da transmissão do ar.

"Só vou dar notícia, não vou comentar. Já falei sobre isso no passado, apanhei muito... Vamos lá: relatórios oficiais do governo do Reino Unido sugerem que os totalmente vacinados... Quem são os totalmente vacinados? Aqueles que depois da segunda dose, né? Quinze dias depois, 15 dias após a segunda dose, totalmente vacinados... Estão desenvolvendo Síndrome da Imunodeficiência Adquirida [Aids] muito mais rápido do que o previsto. Portanto, leiam a matéria, não vou ler aqui porque posso ter problema com a minha live", afirmou Bolsonaro durante a transmissão.

Governo do Reino Unido nega

Essas afirmações falsas são de sites que propagam teorias da conspiração e notícias falsas, informou o Departamento de Saúde e Assistência Social do Reino Unido. "As vacinas contra a covid-19 não causam Aids. A Aids é causada pelo HIV", reiterou a Agência de Segurança de Saúde do Reino Unido. A Sociedade Brasileira de Imunologia afirmou repudiar a afirmação falsa reproduzida por Bolsonaro.

"A SBI, entidade que congrega os principais imunologistas brasileiros e afiliada à International Union of Immunological Societies, baseada em evidências científicas, esclarece que nenhuma vacina desenvolvida contra a Covid-19 pode causar Aids e que também nenhuma vacina tem o potencial de transmitir o vírus do HIV", disse.

Em nota, a Sociedade Brasileira de Infectologia informou que "não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra a Covid-19 e o desenvolvimento de síndrome da imunodeficiência adquirida".

Política