PUBLICIDADE
Topo

Olga Curado

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Relatório da CPI vai desafiar pizzaiolo da Câmara dos Deputados

8.fev.2021 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), após reunião com o o ministro da Economia, Paulo Guedes - Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
8.fev.2021 - O presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (Progressistas-AL), após reunião com o o ministro da Economia, Paulo Guedes Imagem: Wallace Martins/Futura Press/Estadão Conteúdo
Conteúdo exclusivo para assinantes
Olga Curado

Jornalista, escritora, consultora de imagem e faixa preta de Aikido. Autora de livros de comunicação e de ficção. Fundou e dirige a consultoria Curado & Associados, onde desenvolveu método de treinamento de comunicação para lideranças e um sistema de aferição de imagem pública (iVGR). www.olgacurado.com.br

Colunista do UOL

25/10/2021 16h58Atualizada em 25/10/2021 16h58

Tem cheiro de pizza no ar.

Um silêncio sem constrangimentos.

O futuro do relatório da CPI da Pandemia, na repartição das responsabilidades por apurar e punir quem agravou a crise humanitária provocada pelo coronavírus, é a especulação da ordem do dia, às vésperas da votação que vai sacramentar a conclusão das investigações.

O desejo da CPI, que ficou diante da opinião pública durante quase seis meses, ouvindo e se estarrecendo com a incompetência determinada do governo do capitão, esbarra na ambição eleitoral de 2022 dos senhores deputados e senhoras deputadas.

Na gaveta de Lira pode-se esperar o repouso complacente de achados e perdidos das apurações - nada irá perturbar o capitão. Um valor mais alto se alevanta: a continuidade do exercício do jugo imperial pelo comando da Câmara dos Deputados.

O esgarçamento dos pesos e contrapesos entre os Poderes da República, para assegurar a democracia saudável, está aniquilado pelos regimentos e regulamentos que se auto proporcionam as deidades, pretensamente falando em nome do povo, porque ungidas pelo voto popular, sabe-se lá a que preço.

Melancolicamente, o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) encerra nesta data o processo de apuração de disseminação de fake news durante a campanha eleitoral de 2018, quando o capitão se consagrou presidente do Brasil, com votos da maioria dos eleitores. A que preço? Sabe-se lá. E muito ficará por saber.

O corregedor eleitoral também se despede da Corte, depois de arroubos irados contra o que identificou como espúrio comportamento de governante que desafiou a verdade, usando redes sociais para imprecar contra o sabido e não sabido pela ciência. Às custas de milhares de mortos. Aqui, sabe-se o preço.

A melancolia, um sentimento quase imperceptível de decepção, mas expansivo de tristeza - fruto de uma expectativa fantasiosa, segundo a qual as coisas mudam, mesmo quando os homens são os mesmos, nas suas ambições e subserviência.

O capitão, afoito, sem modos (ou com modos de gente não educada para se comportar socialmente) usa a sua televisão pessoal, como se não devesse ao povo o palanque, e joga na cara da ciência a conclusão paranoica e ignorante sobre vacinas e doenças. A rede social tira do ar. Não, vacina não potencializa perda de imunidade, não é ceva para Aids!

Mas, ainda que o Facebook tente barrar a propagação da mentira, ficam no ar as imprecações ambivalentes do capitão, que engorda um discurso de desconfiança, de ódio, de discórdia. O mesmo sentimento que poluiu, em 2018, os canais de WhatsApp com mentiras e surtos de raiva. O TSE não encontrou relação de causa e efeito que comprove ter sido o resultado das eleições uma consequência direta daquela inundação de fake news.

A melancolia do que poderia ter sido feito. O dique, a blindagem legal, responsável ética e moral, que escancarou o acesso à legião de robôs pregadores do ódio e da mentira. Uma possibilidade e um lamento.

Não é possível penalizar por antecipação. Ou prever o que não foi antes experimentado. Não se imagina o que é inimaginável. Aqueles que têm a mente fértil para criar o mal têm a ferocidade e a rapidez que prescindem de cautela. Diferentes daqueles que precisam mitigar danos, olhando para o que já foi danado.

A CPI da Pandemia invoca que a sua instalação forçou o governo do capitão a se mexer, a planejar compra de vacinas no próximo ano; que estancou a corrupção em andamento no Ministério da Saúde, que conteve o capitão na sua sanha negacionista (pelo menos um pouco, alguns dias, mas retomada em live - ao vivo e em cores).

O futuro do relatório da CPI da Pandemia não pode ser um aceno melancólico ao que seria possível remediar e prevenir. Ainda ficaram investigações e perguntas sem respostas. O genocídio possível de povos originários não foi investigado. Nenhuma representação indígena foi ouvida. Alguns números sobre as tragédias nas aldeias foram espargidos. Não o suficiente para constar no relatório da CPI.

Há perguntas sem respostas.

Há respostas que não convencem, explicam ou esclarecem.

Há um cheiro de pizza no ar. Tem gente com o forno aceso e a massa pronta. Só falta o molho do escárnio diante daqueles que testemunharam a incúria, a insensatez, o dolo e a morte.

** Este texto não reflete, necessariamente, a opinião do UOL