PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Doria diz que não terá tolerância em debate contra Lula e Bolsonaro em 2022

João Doria na urna de votação - Divulgação/ PSDB
João Doria na urna de votação Imagem: Divulgação/ PSDB

Do UOL, em São Paulo

29/11/2021 08h19Atualizada em 29/11/2021 08h37

João Doria, governador de São Paulo e vencedor das prévias do PSDB para disputar à presidência no próximo ano, disse que não terá "tolerância" ao debater com o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e com o atual chefe do Executivo Jair Bolsonaro (sem partido). As declarações foram dadas ao jornal Valor Econômico.

"Eu serei extremamente combativo contra Lula e contra Bolsonaro. Não esperem de mim nenhuma leniência, nenhuma tolerância, no debate com Lula e nem com Bolsonaro", afirma.

Apesar da declaração, o governador apoiou Bolsonaro nas eleições presidenciais de 2018. Na época, foi cunhado o termo "bolsodoria", por eleitores de ambos os políticos. Em fevereiro, em entrevista ao UOL, Doria afirmou que se arrependia "amargamente" de ter apoiado o atual mandatário.

Para Doria, apesar de Lula e Bolsonaro ainda não terem confirmado oficialmente seus nomes na disputa ao Palácio do Planalto, os dois "seguirão até o final na disputa pela presidência".

"Não vejo perspectiva de que os dois não sejam candidatos. Para valer. A minha candidatura se posiciona frontalmente contra Lula e Bolsonaro. A minha posição é: combater os extremos. Bolsonaro vendeu um sonho e entregou um pesadelo. E Lula flertou com a corrupção do petrolão e do mensalão", declarou.

Alianças

Ontem, em entrevista à CNN Brasil, Doria declarou ter uma boa relação com o ex-juiz e ex-ministro do governo Bolsonaro Sergio Moro (Podemos). Ele também afirmou que uma aliança com Moro, que também é cotado para disputar as eleições, é possível.

Ao Valor, o governador de São Paulo afirmou que — se necessário — poderá fechar um acordo com ex-ministro e presidenciável Ciro Gomes (PDT). Para Doria, "não há razão para não ter um diálogo com Ciro".

Ao ser questionado se conversaria com Lula para ter apoio em um segundo turno contra Bolsonaro, Doria não respondeu diretamente.

"O diálogo será sempre feito com quem merece o diálogo, com quem gosta, respeita e aprecia o diálogo. Populistas extremistas não gostam do diálogo. Gostam de impor suas posições, de determinar, de mandar, o que torna mais difícil o diálogo."

Pesquisa eleitoral

Uma pesquisa eleitoral divulgada pelo site "Poder360" na noite de sexta-feira (26) mostrou que o ex-presidente Lula seguia na liderança da corrida eleitoral, para o pleito do ano que vem. O petista também vence todos os candidatos em um eventual segundo turno, variando a sua pontuação entre 47% e 54%.

Moro, Ciro e Doria/Leite — os dois últimos ainda disputavam às prévias no dia da divulgação da pesquisa — estavam tecnicamente empatados na terceira posição, sempre com Bolsonaro em segundo.

A pesquisa foi realizada pelo PoderData, divisão de estudos do site de notícias, entre os dias 22 de novembro e 24 de novembro. A margem de erro é de 2 pontos percentuais, para mais ou para menos.

Política