PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
5 meses

Bolsonaro recebe alta hospitalar após obstrução intestinal

Stella Borges e Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo*

05/01/2022 08h50Atualizada em 05/01/2022 12h07

O presidente Jair Bolsonaro (PL) recebeu alta médica do Hospital Vila Nova Star, em São Paulo, na manhã de hoje (5). Ele foi internado na madrugada de segunda-feira (3), com quadro de obstrução intestinal, após passar mal no domingo (2) depois do almoço, em São Francisco do Sul (SC), onde passava férias.

Por volta das 8h40, o próprio presidente se antecipou ao hospital e anunciou sua alta pelo Twitter. "Alta agora. Obrigado a todos. Tudo posso naquele que me fortalece", escreveu.

Minutos depois, e a assessoria da Presidência confirmou a alta e o hospital confirmou a alta por meio da seguinte nota:

O senhor presidente da República, Jair Messias Bolsonaro, teve alta hoje do Hospital Vila Nova Star, da Rede D'Or. Ele estava internado desde 3 de janeiro para tratar um quadro de suboclusão intestinal. Ele seguirá com acompanhamento ambulatorial pela equipe médica assistente".

Em entrevista, após a alta, o cirurgião Antônio Luiz Macedo, responsável pelo atendimento do presidente, disse que Bolsonaro está "curado e pronto para o trabalho".

"No dia que eu cheguei, o intestino estava começando a funcionar. No dia seguinte já estava bem funcionando e agora o presidente está normal. Vai fazer uma dieta especial durante uma semana, vai apenas fazer caminhada, não vai fazer exercícios muito intensos", disse o médico.

Macedo estava nas Bahamas, de férias, e voltou às pressas para cuidar de Bolsonaro.

Evolução do quadro clínico

Ontem (4), boletim médico já havia informado que o quadro de suboclusão intestinal se desfez. À noite, o hospital divulgou uma nota dizendo que o presidente teve a sonda nasogástrica retirada após uma "boa aceitação da dieta líquida ofertada durante o dia", mas não havia previsão de alta.

O quadro de obstrução intestinal é possivelmente consequência da facada que Bolsonaro levou durante a campanha eleitoral de 2018 e das operações subsequentes.

Nas redes sociais, a primeira-dama, Michelle Bolsonaro, publicou uma foto do marido caminhando no hospital. Ele não usava máscara de proteção contra a covid-19.

A folga do presidente no litoral catarinense estava prevista para terminar ontem. No Sul, o mandatário promoveu aglomerações ao cumprimentar apoiadores, andou de moto aquática, foi a uma pizzaria e a um parque de diversões.

Além das aglomerações ao longo do recesso, Bolsonaro foi criticado pela oposição por não ter voltado a sobrevoar áreas atingidas pelas fortes chuvas no sul da Bahia, que afetaram mais de 700 mil pessoas, deixaram mais de 93 mil desabrigados e desalojados, e ao menos 26 mortos.

Cirurgias após a facada

Macedo operou Bolsonaro após a facada que levou no abdome, em setembro de 2018, na cidade de Juiz de Fora (MG), durante um ato de rua de sua campanha presidencial.

Desde então, o presidente esteve internado em hospitais em algumas ocasiões para realizar cirurgias e exames:

6 de setembro de 2018 - Santa Casa de Misericórdia de Juiz de Fora (MG): O candidato Jair Bolsonaro se submete a uma operação de urgência após ser atacado por uma facada de Adélio Bispo em ato de campanha;

12 de setembro de 2018 - Hospital Albert Einstein, em São Paulo: Bolsonaro passa por nova cirurgia de emergência em razão de uma complicação causada pela aderência das paredes do intestino;

28 de janeiro de 2019 - Hospital Albert Einstein, São Paulo: já na Presidência da República, Bolsonaro se submete a uma nova cirurgia para retirada da bolsa de colostomia;

8 de setembro de 2019 - Hospital Vila Nova Star, São Paulo: nova cirurgia para correção de uma hérnia incisional na região da área atingida pela facada;

25 de setembro de 2020 - Hospital Vila Nova Star, São Paulo: retirada de cálculo na bexiga;

14 de julho de 2021 - Hospital Vila Nova Star, São Paulo: Bolsonaro ficou quatro dias internado no hospital Vila Nova Star para tratamento de uma obstrução intestinal

*Com colaboração de Beatriz Gomes, do UOL, em São Paulo

Política