PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Interessa a Moro explicar atuação na Alvarez & Marsal, diz deputado petista

Colaboração para o UOL, em São Paulo

25/01/2022 19h23

O deputado federal Paulo Teixeira (PT-SP) disse, durante entrevista ao UOL News, que é interesse do ex-juiz Sergio Moro esclarecer sua atuação na empresa Alvarez & Marsal.

O parlamentar afirmou que irá pedir a instalação de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para investigar suposto "conflito de interesse" sobre o período em que o pré-candidato à Presidência do Podemos trabalhou na consultoria. O número mínimo de assinaturas exigidas para a criação de uma CPI na Câmara é de 171.

"Diante da negativa do ex-juiz Sergio Moro em fornecer dados sobre a sua remuneração [na empresa] para os órgãos de investigação, nós fomos movimentados por diversos atores políticos que disseram 'caso ele negue, precisa de uma CPI'. Foi por isso que começamos a discutir o pedido de uma", afirmou Teixeira. "Interessa a Moro explicar que não há o conflito de interesses."

Em dezembro, o ministro Bruno Dantas, do TCU (Tribunal de Contas da União), determinou que a empresa norte-americana revele quanto pagou a Moro depois que ele deixou o cargo, em outubro. A companhia contratou Moro após sua saída do Ministério da Justiça do governo Bolsonaro.

A Alvarez & Marsal recebeu ao menos R$ 65,1 milhões de empresas envolvidas na operação Lava Jato. Esse valor é 78% de todo o faturamento por administração judicial que a companhia alega ter tido de 2013 até o ano passado.

Para o deputado petista, a remuneração de Moro foi "milionária" e aparenta ser uma "recompensa pelos serviços prestados" a empresas estrangeiras ligadas à Lava Jato.

"[Como juiz da Lava Jato], ele conduziu tão mal que quebrou as empresas. E, agora, aparece como a pessoa que participa da recuperação judicial. Isso pode ser uma recompensa por esse 'serviço prestado' até porque ele não tem habilidades em recuperação de empresas e, até onde se sabe, a remuneração foi muito desproporciona", avaliou.

Política