PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
3 meses

Randolfe diz que Lula o convidou para integrar campanha à presidência

Reprodução/Twitter - O senador Randolfe Rodrigues e o ex-presidente Lula se encontraram em São Paulo na semana passada
Reprodução/Twitter Imagem: O senador Randolfe Rodrigues e o ex-presidente Lula se encontraram em São Paulo na semana passada

Do UOL, em São Paulo

25/01/2022 16h23Atualizada em 25/01/2022 16h25

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse ter sido convidado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para participar da equipe de campanha dele à Presidência. A afirmação foi feita ao site "Poder360".

Randolfe disse que apoiará o petista na eleição, mas que a participação na campanha ainda depende da definição se será candidato ao governo do Amapá.

Os dois se reuniram em São Paulo na última sexta-feira (21) e, segundo o senador, conversaram sobre o futuro do Amapá e do Brasil.

"Os tempos sombrios que estamos vivendo precisam ser superados. E, para isso, temos que unir forças em favor do povo brasileiro", disse o parlamentar nas redes sociais após o encontro.

A discussão acontece em um momento em que a Rede tem um impasse interno em relação a qual candidato apoiar no pleito presidencial deste ano: o ex-ministro Ciro Gomes (PDT) ou Lula.

Divisão na Rede

Após lançar Marina Silva (Rede-AC) como candidata à Presidência da República em 2018, a Rede está dividida em relação à eleição deste ano. Sob resistência de Marina, uma ala da sigla defende apoiar Lula ainda no primeiro turno.

Outra ala, que inclui a própria ex-candidata, discute o apoio a Ciro Gomes (PDT). Há ainda um debate para que Marina seja candidata a vice ao lado do pedetista, hipótese rechaçada por uma parte do partido.

O presidente do PDT, Carlos Lupi, tem conversado com a ex-senadora.

Em meio às discussões, o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) chegou a procurar a presidente do PT, Gleisi Hoffmann (PR), para saber se o partido estaria disposto a abrir diálogo a respeito de aliança na eleição.

"Hoje, de fato, a Rede está dividida. Boa parte do partido defende apoio a Lula já no primeiro turno. Tem resistência, mas boa parte quer isso. Tem a sugestão de liberar o voto, tanto em Ciro como em Lula", diz o senador.

Política