PUBLICIDADE
Topo

Política

Bolsonaro minimiza compra de Viagra por Forças Armadas: 'não é nada'

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

13/04/2022 09h52Atualizada em 13/04/2022 13h57

O presidente Jair Bolsonaro (PL) minimizou hoje a compra de 35.320 comprimidos de Viagra pelo Exército e Aeronáutica. Segundo ele, o montante é pequeno em comparação com o efetivo das três Forças Armadas. O político destacou ainda que o produto será usado para tratamento de hipertensão arterial pulmonar e doenças reumáticas, e não para disfunção erétil (finalidade típica do remédio).

Com todo respeito, não é nada. Quantidade... O efetivo das três forças, obviamente... Muito mais usado pelos inativos e pensionistas
Jair Bolsonaro

O produto, segundo o presidente, será utilizado principalmente por "inativos e pensionistas" em tratamento da doença. As Forças Armadas possuem cerca de 350 mil militares na ativa e mais de 1 milhão na reserva.

Segundo Bolsonaro, há 15 ou 20 anos, o potencial do Viagra no combate a disfunção erétil teria sido descoberto no decorrer de pesquisas que visavam eficácia no tratamento da hipertensão arterial pulmonar —doença rara que faz com que a pressão arterial nos pulmões seja mais alta e que é mais comum em mulheres.

As declarações ocorreram durante um café da manhã realizado no Palácio da Alvorada, residência oficial do Executivo, com pastores e líderes evangélicos. Participaram representantes da Convenção das Assembleias de Deus no Brasil.

"(..) 15 ou 20 anos atrás estavam pesquisando algo para combater a hipertensão arterial pulmonar, que matava muito. E foi descoberto um remédio para isso. Paralelamente também, esse mesmo remédio serviu para doenças reumatológicas [sic]", disse o presidente. "E, como efeito colateral, aparecia algo aí que combatia a impotência sexual. Depois ficou conhecido como Viagra. Então, as Forças Armadas compram o Viagra para combater a hipertensão arterial e também as doenças reumatológicas."

O governante também criticou a imprensa e comparou a polêmica do Viagra com a repercussão dos R$ 20,2 milhões pagos em 2020 para compra de leite condensado pelo governo federal. O caso veio a público em 2021 em reportagem do site Metrópoles. À época, o UOL analisou dados do Painel de Compras, uma das ferramentas de transparência da União, e verificou que houve uma redução de quase R$ 11 milhões em relação ao montante pago no ano anterior.

Bolsonaro declarou considerar que "apanha todo dia de uma imprensa que tem muita má-fé e que é ignorante também nos assuntos". Na visão dele, os veículos de comunicação não buscaram informações sobre as necessidades que justificariam a compra do Viagra.

"[A imprensa] não procura saber por que comprou aí os seus 50 mil comprimidos de Viagra. Mas faz parte. Como no ano passado apanhamos muito também, eu apanhei, por ter gasto alguns milhões com leite condensado."

"O leite condensado era para a Presidência da República. Então fizemos as contas e dava ali alguns milhões de latas de leite condensado que eram usadas aqui. Mas isso é todo dia e toda hora. Eles têm um método, um objetivo. E a gente incomoda", completou.

Ainda na fala a evangélicos, Bolsonaro afirmou não saber se seu filho Jair Renan "está certo ou errado". Ele é investigado por supostamente usar o acesso ao Planalto para obter benefícios pessoais, o que seria tráfico de influência. Ele nega.

"Tem a vida dele, não sei se está certo ou está errado, peço a Deus que o proteja", disse. "O moleque tem 24 anos agora, acho que ninguém conhece ele, vive com a mãe, há muito tempo está longe de mim", afirmou o presidente.

Oito processos de compra

Segundo dados do Portal da Transparência compilados pelo deputado federal Elias Vaz (PSB-GO) e divulgados à imprensa, as Forças Armadas aprovaram desde 2020 oito pregões para comprar 35.320 comprimidos de Viagra. Os certames ainda estão em vigor nesse ano.

Nos processos, o medicamento aparece com o nome genérico Sildenafila, nas dosagens de 25 mg e 50 mg. A maior parte dos medicamentos é destinado à Marinha, com 28.320 comprimidos; mas o Exército (5 mil comprimidos) e a Aeronáutica (2 mil comprimidos) também são atendidos.

O deputado Vaz pediu explicações ao Ministério da Defesa sobre a intenção da aquisição. "Precisamos entender por que o governo [Jair] Bolsonaro está gastando dinheiro público para comprar Viagra, e nessa quantidade tão alta. As unidades de saúde de todo o país enfrentam com frequência falta de medicamentos para atender pacientes com doenças crônicas, como insulina, e as Forças Armadas recebem milhares de comprimidos de Viagra. A sociedade merece uma explicação", disse em nota.

A Marinha respondeu que os processos de aquisição são para o tratamento de pacientes com hipertensão arterial pulmonar, "doença grave e progressiva que pode levar à morte". O Exército também apresentou a mesma justificativa, dizendo que os hospitais da corporação, que atende os militares e seus dependentes, devem ter o medicamento para tratar a condição. (leia as notas na íntegra ao final do texto).

De acordo com Veronica Amado, pneumologista coordenadora da Comissão de Circulação Pulmonar da SBPT (Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia), a dosagem de 25 mg como a do Viagra, não é a prevista na literatura para tratar a condição.

"A sildenafila foi liberada em bula para hipertensão arterial pulmonar na dose de 20mg, que pode ser receitada na posologia de 20mg de 8/8 horas até o máximo de 80mg (quatro comprimidos) de 8/8 horas. A programação terapêutica é feita com essa dose. Usar doses de 25mg (como a do Viagra) não traz impactos graves à saúde, porém, segue programação e posologias diferentes das estudadas, com doses excedentes ou inferiores às recomendadas", disse a especialista.

O UOL também entrou em contato com o Ministério da Defesa e a Aeronáutica, questionando a finalidade dos medicamentos. Caso haja resposta, este texto será atualizado.

Leia a nota da Marinha:

Os processos licitatórios realizados pela Marinha do Brasil para aquisição de sildenafila de 25 e 50mg visam o tratamento de pacientes com Hipertensão Arterial Pulmonar (HAP), uma síndrome clínica e hemodinâmica que resulta no aumento da resistência vascular na pequena circulação, elevando os níveis de pressão na circulação pulmonar. Pode ocorrer associada a uma variedade de condições clínicas subjacentes ou a uma doença que afete exclusivamente a circulação pulmonar. Trata-se de doença grave e progressiva que pode levar à morte. A associação de fármacos para a HAP vem sendo pesquisada desde a década de 90, estando ratificado, conforme as últimas diretrizes mundiais (2019), o uso da sildenafila, bem como da tadalafila, com resultados de melhora clínica e funcional do paciente.

Nota do Exército:

O Centro de Comunicação Social do Exército informa que os processos de licitação e compra de medicamentos seguem os preceitos legais previstos e as demandas do Sistema de Saúde do Exército, responsável por prover assistência médico-hospitalar a militares e seus dependentes, totalizando mais de 700 mil pessoas.

A respeito especificamente da Sildenafila, cabe esclarecer que o medicamento é utilizado no Exército para o tratamento de hipertensão pulmonar (elevação da pressão arterial nas artérias dos pulmões) em ambiente hospitalar. Assim, é previsto que os hospitais, principalmente aqueles que possuam Unidades de Terapia Intensiva / Unidade Coronariana, tenham atas de Sistema de Registro de Preços (SRP) com o referido medicamento, cujas quantidades são previstas para um ano (data de vigência de uma ata de medicamentos).

  • Assista ao UOL News e veja o comentário do colunista Alberto Bombig sobre as declarações de Bolsonaro a respeito da compra de Viagra nas Forças Armadas:

Política