PUBLICIDADE
Topo

Política

Conteúdo publicado há
1 mês

Isa Penna protocola novamente processo contra Olim por fala machista

A deputada Isa Penna entrou novamente com pedido de cassação contra parlamentar que disse que ela teria tido "sorte" ao ser assediada. - José Antonio Teixeira/Alesp
A deputada Isa Penna entrou novamente com pedido de cassação contra parlamentar que disse que ela teria tido "sorte" ao ser assediada. Imagem: José Antonio Teixeira/Alesp

Do UOL, em São Paulo

26/05/2022 15h31

A deputada Isa Penna (PCdoB) protocolou novamente um processo contra o deputado Delegado Olim (PP) pedindo o afastamento do parlamentar do Conselho de Ética da Alesp (Assembleia Legislativa de São Paulo) e a cassação de seu mandato pelos comentários, em um podcast, de que ela teria tido sorte por ter sido assediada pelo deputado Fernando Cury (sem partido), pois o caso lhe garantiria a reeleição.

Ela também entrou com um pedido de representação para que deputados que já tenham sofrido sanções por casos de violência de gênero não possam fazer parte do Conselho de Ética. Isa Penna pediu ainda uma investigação sobre um suposto envolvimento do deputado no julgamento do processo da deputada contra Fernando Cury (sem partido).

Anteriormente, o processo de Penna contra Olim, recebido pelo Conselho no dia 25 de abril, foi arquivado por 6 votos a 4, porque haveria um termo jurídico incorreto, segundo os deputados que votaram pelo arquivamento. Delegado Olim disse depois, em entrevista à Rede Globo, que ela teria agora "Mais cinco minutos de fama".

Além disso, Isa Penna protocolou um Projeto de Resolução, que cria o Comitê de Defesa da Mulher contra a Violência.

Segundo ela, o que se pretende é que sejam coibidas "condutas que atentem contra a integridade física, psicológica, sexual e moral das parlamentares, servidoras, terceirizadas e visitantes da Casa Legislativa, incluídas aquelas expressas em ambiente digital, bem como que casos similares possam ser encaminhados com maior celeridade e de forma mais equânime do ponto de vista de gênero, de maneira a garantir que a ALESP seja um ambiente seguro para as mulheres".

Ainda segundo a deputada, "os escândalos recentes só reforçam o cotidiano de violência política de gênero na Alesp, que todos os dias violenta reiteradamente as mulheres deputadas da Alesp, que têm o direito de permanecer resguardadas, de serem legitimadas enquanto sujeitas fazedoras e pensadoras da política".

Atualmente, Fernando Cury responde criminalmente por importunação sexual, e o deputado Arthur do Val (União Brasil) foi cassado por unanimidade após um vazamento de áudios em que ele usa termos misóginos para se referir a refugiadas ucranianas quando estava no país europeu.

Caberia ao comitê proposto promover campanhas de combate à violência contra a mulher na Alesp e formações sobre o tema a servidores e parlamentares da assembleia.

No caso de a denúncia ser feita por um homem, o comitê também poderia receber denúncias de violência e estipular integrantes do sexo masculino para analisar o caso.

A representação foi enviada ao Conselho de Ética, mas a confirmação de recebimento não havia sido feita até o momento.

O UOL entrou em contato com o Deputado Delegado Olim, mas até o momento não recebeu resposta. Em caso de manifestação, este texto será atualizado.

Política