PUBLICIDADE
Topo

Política

PF diz que investigará 'possível interferência' em operação no MEC

Depois de dizer que colocaria "a cara no fogo" por Milton Ribeiro, Bolsonaro buscou se distanciar do ex-ministro                              - Cleber Caetano/PR
Depois de dizer que colocaria "a cara no fogo" por Milton Ribeiro, Bolsonaro buscou se distanciar do ex-ministro Imagem: Cleber Caetano/PR

Rafael Neves

Do UOL, em Brasília

23/06/2022 15h16Atualizada em 23/06/2022 15h36

A PF (Polícia Federal) informou, no início da tarde de hoje (23), que abriu um inquérito para apurar "boatos de possível interferência" na operação Acesso Pago, que mira o ex-ministro da Educação Milton Ribeiro. Em nota, a PF não esclarece quais são estes boatos, mas afirma que abriu a apuração para "garantir a autonomia e a independência funcional do Delegado de Polícia Federal", conforme previsto em lei.

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o delegado Bruno Calandrini, responsável pela investigação, teria se queixado de um tratamento diferenciado dado pela PF a Ribeiro. Em mensagem a colegas, segundo a Folha, Calandrini reclamou da decisão da cúpula da PF de evitar o translado do ex-ministro a Brasília. Preso em Santos (SP), Ribeiro foi levado à carceragem da PF na capital paulista.

O ex-ministro, que deixou o MEC no final de março por suspeitas sobre a liberação de verbas na pasta, foi preso na manhã de ontem em Santos (SP), mas passou pouco mais de um dia detido.

Hoje, o desembargador Ney Bello, do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região), ordenou a soltura de Ribeiro e dos pastores Arilton Moura e Gilmar Santos, suspeitos de articular um "balcão de negócios" na liberação de recursos da pasta.

Calandrini, segundo a Folha, considerou que a decisão de não levar Ribeiro a Brasília atrapalhou as investigações e demonstrou "tratamento diferenciado" dado pela PF ao ex-ministro. Em nota, a PF não cita especificamente as alegações de Calandrini, mas afirma que vai apurar os fatos para garantir a independência funcional do delegado.

"Considerando boatos de possível interferência na execução da Operação Acesso Pago e objetivando garantir a autonomia e a independência funcional do Delegado de Polícia Federal, conforme garante a Lei nº 12.830/2013, informamos que foi determinada a instauração de procedimento apuratório para verificar a eventual ocorrência de interferência, buscando o total esclarecimento dos fatos", afirmou a PF.

Política