Conteúdo publicado há 3 meses

Ministério da Justiça recebeu mulher de um líder do Comando Vermelho

A mulher de um líder do Comando Vermelho participou de reuniões com secretários do Ministério da Justiça. As informações foram reveladas pelo jornal O Estado de S.Paulo e confirmadas pelo UOL.

O que aconteceu:

Luciane Barbosa Farias, conhecida como dama do tráfico amazonense, esteve em audiências no prédio do Ministério da Justiça, em Brasília. Ela é casada com Clemilson dos Santos Farias, o Tio Patinhas.

Nas redes sociais, Luciane compartilhou várias fotos e vídeos em Brasília. Ela já esteve no CNJ (Conselho Nacional de Justiça), na Câmara dos Deputados e em encontro com políticos.

O Ministério da Justiça admitiu ao Estadão que Luciane foi recebida por secretários, mas ressaltou que ela integrava uma comitiva de advogados. "A presença de acompanhantes é de responsabilidade exclusiva da entidade requerente e das advogadas que se apresentaram como suas dirigentes".

Audiências em Brasília

Luciane esteve no Ministério da Justiça como presidente da ILA (Associação Instituto Liberdade do Amazonas). A Polícia Civil do AM diz que a ONG atua em prol dos presos ligados ao Comando Vermelho e é financiada com dinheiro do tráfico.

Continua após a publicidade

Em 19 de março, Luciane esteve com Elias Vaz, secretário nacional de Assuntos Legislativos. Em 2 de maio, ela se encontrou com Rafael Velasco Brandani, titular da Secretaria Nacional de Políticas Penais.

Nas redes sociais, Luciane escreveu que levou a Velasco "denúncias de revistas vexatórias" no sistema prisional amazonense, além de um "dossiê" sobre "violações de direitos fundamentais e humanos" supostamente cometidas pelas empresas que atuam nas prisões do Amazonas.

Luciane circula por Brasília acompanhada da advogada Camila Guimarães de Lima e da amiga Janira Rocha, ex-deputada estadual pelo PSOL. Janira foi condenada em 2021 por suspeita de rachadinha com salário de assessores na Alerj e hoje atua na defesa da ex-deputada federal Flordelis.

O Estadão procurou o Instituto Liberdade do Amazonas, mas não conseguiu retorno. A advogada de Luciane, Cristiane Gama Guimarães Generoso, diz que não fala sobre processos de seus clientes. "Que absurdo é esse?", respondeu sobre a acusação do MP sobre Luciane.

Já o Ministério da Justiça diz que seria "impossível" a detecção prévia da situação de Luciane. Leia na íntegra:

"No dia 16 de março, a Secretaria de Assuntos Legislativos (SAL) atendeu solicitação de agenda da Anacrim (Associação Nacional da Advocacia Criminal), com a presença de várias advogadas.

Continua após a publicidade

A cidadã mencionada no pedido de nota não foi a requerente da audiência, e sim uma entidade de advogados. A presença de acompanhantes é de responsabilidade exclusiva da entidade requerente e das advogadas que se apresentaram como suas dirigentes.

Por não se tratar de assunto da pasta, a Anacrim, que solicitou a agenda, foi orientada a pedir reunião na Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen).

A agenda na Senappen e da Anacrim aconteceu no dia 2 de maio, quando foram apresentadas reivindicações da Anacrim.

Não houve qualquer outro andamento do tema.

Sobre a atuação do Setor de Inteligência, era impossível a detecção prévia da situação de uma acompanhante, uma vez que a solicitante da audiência era uma entidade de advogados, e não a cidadã mencionada no pedido de nota.

Todas as pessoas que entram no MJSP passam por cadastro na recepção e detector de metais.

Continua após a publicidade

O ministro Flávio Dino, citado na reportagem do Estadão, diz que nunca recebeu líder de facção ou esposa em audiência no Ministério da Justiça. "De modo absurdo, simplesmente inventaram a minha presença em uma audiência que não se realizou em meu gabinete".

O secretário Elias Vaz também falou sobre a audiência com Luciane. Ele diz que atendeu a uma solicitação da ex-deputada Janira Rocha, que levou acompanhantes.

Continua após a publicidade

Luciane foi condenada por atuar no Comando Vermelho

Luciane e o marido foram condenados em dezembro do ano passado por lavagem de dinheiro, associação para o tráfico e organização criminosa. Clemilson cumpre pena de 31 anos no presídio de Tefé (AM), e Luciane foi sentenciada a 10 anos, mas recorre em liberdade.

Segundo o Ministério Público, Luciane atuou como braço financeiro da operação do marido e conquistou a confiança da cúpula do Comando Vermelho. "Exercia papel fundamental também na ocultação de valores oriundos do narcotráfico, adquirindo veículos de luxo, imóveis e registrando 'empresas laranjas'".

No Amazonas, Clemilson é conhecido pela sua crueldade contra rivais e devedores. Em abril de 2019, diz o Estadão, um homem foi encontrado morto em Manaus com um cartaz no rosto: "devia Tio Patinhas".

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes