STF determina e pastor suspeito de financiar 8/1 é solto, diz defesa

O pastor catarinense Dirlei Paiz, preso por suspeita de financiar os atos golpistas de 8 de janeiro, foi solto na madrugada desta sexta-feira (7) após decisão do Supremo Tribunal Federal, segundo a defesa dele.

O que aconteceu

Paiz estava preso desde 17 de agosto. Ele participou de um acampamento em frente a um quartel do Exército e gravou vídeos em que fala sobre a logística dos ônibus que saíram de Blumenau para Brasília para os atos golpistas.

STF expediu alvará de soltura ontem e Paiz responderá ao processo em liberdade, segundo o advogado que o representa, Jairo Santos.

Pastor vai usar tornozeleira eletrônica e deve cumprir uma série de medidas cautelares, como apresentar-se mensalmente à Justiça em Blumenau, onde mora, e não usar redes sociais.

O processo corre em sigilo. Até o momento, ao menos 25 pessoas foram condenadas pelos atos de 8/1, com penas de até 17 anos de prisão.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora