Conteúdo publicado há 1 mês

Boulos diz que PF investiga ameaças de morte: 'Não vamos nos intimidar'

Guilherme Boulos (PSOL), pré-candidato à Prefeitura de São Paulo, disse que a Polícia Federal apura as ameaças de morte que ele diz ter recebido após anunciar que disputará as eleições municipais.

O que aconteceu

Boulos diz que ameaças se intensificaram muito nos últimos dois meses. Citando a proximidade do pleito, o psolista declarou que, com o aumento das ameaças, decidiu abrir uma denúncia na PF e o diretor do órgão, Andrei Augusto Passos Rodrigues, abriu um inquérito policial. O pré-candidato apontou que as ameaças também estão sendo feitas contra a sua família.

Inquérito será para identificar os responsáveis pelas ameaças e puni-los, diz o político. "Vão ser chamados pela PF", disse. Ele explicou que decidiu, em conjunto com a coordenação da pré-campanha, tomar novas medidas de segurança, entre elas, usar um carro blindado e parar de usar o seu carro Celta, como mostrou a colunista da Folha de S.Paulo Mônica Bergamo.

"Essa turma é covarde, não tem limite, mas o que eu quero dizer para vocês é que isso não vai nos fazer dar um passo para trás", acrescenta. "Não vamos recuar nas nossas posições. (...) Vamos seguir firme em defesa do que a gente acredita para São Paulo e para o Brasil."

O pré-candidato ainda comentou que sempre denunciou a "cultura de intimidação que o bolsonarismo representa no país". "Para eles, a diferença tem que ser anulada, aniquilada, ameaçada." Por fim, Boulos reforçou que sempre teve firmeza para denunciar, enfrentar o bolsonarismo e defender as suas posições políticas com convicção.

Deixe seu comentário

Só para assinantes