PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Da cloroquina ao plasma: as apostas da ciência brasileira contra a covid-19

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

11/04/2020 04h00

Resumo da notícia

  • Cientistas brasileiros correm contra o tempo para descobrir o tratamento e a cura contra a covid-19
  • A USP e os hospitais Albert Einstein e Sírio-Libanês realizam estudo com o plasma do sangue de pessoas que se curaram
  • A Fiocruz publicou pesquisa sobre o Atazanavir, cujo desempenho foi superior ao da cloroquina
  • Até o momento, cientistas brasileiros conseguiram registrar 53 estudos na Comissão Nacional de Ética em Pesquisa

Enquanto o uso da cloroquina para combater a covid-19 provoca atritos entre o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, cientistas brasileiros correm contra o tempo para descobrir a prevenção, o tratamento e a cura para a doença que já matou mais de mil pessoas no país e mais de 100 mil no mundo. Alguns resultados são promissores.

A USP (Universidade de São Paulo) e os hospitais Albert Einstein e Sírio-Libanês divulgaram a realização de um estudo que utiliza em doentes o plasma do sangue de pessoas que se curaram da covid-19. A Fiocruz publicou uma pesquisa sobre o Atazanavir, já usado no tratamento de pacientes com HIV, cujo desempenho foi superior ao da cloroquina.

Essas são apenas algumas apostas. Até o momento, cientistas brasileiros conseguiram registrar 53 estudos na Conep (Comissão Nacional de Ética em Pesquisa), o órgão federal responsável por autorizar e fiscalizar as pesquisas médicas realizadas em seres humanos no Brasil, como são os casos envolvendo o novo coronavírus.

"Todos os estudos sobre o assunto precisam passar pelo Conep. Se isso não ocorre, podemos denunciar ao Ministério Público", afirmou ao UOL Jorge Alves Venâncio, médico e coordenador da comissão.

A pandemia intensificou a rotina no órgão, que agora trabalha "sete dias por semana" para avaliar tudo o que é registrado. "Temos muitas tentativas, que vão desde a cloroquina a antirretrovirais, remédio contra HIV, células tronco... Os cientistas estão jogando a rede para ver o que aparece. E é essa a função da ciência."

O Instituto Paulista de Reumatologia, por exemplo, avalia em 9 mil pessoas o efeito do uso de remédios contra a malária, em pacientes com doenças reumáticas que foram infectados pelo novo coronavírus. O Hospital Albert Einstein testa em dez participantes um tratamento com células mesenquimais, consideradas as "células do futuro" por serem fundamentais no processo de cicatrização e a principal aposta em tratamentos para doenças autoimunes, como diabetes e esclerose múltipla.

Já o Hospital Sírio-Libanês estuda em 290 pessoas o uso de corticoide para casos graves de covid-19, enquanto o Instituto D'or de Pesquisa tenta interromper, em 500 participantes, os bloqueadores do receptor de angiotensina, uma molécula que controla a pressão arterial, fundamental para os infectados pelo novo coronavírus, que perdem a respiração em razão da inflamação nos vasos sanguíneos.

Mas são a cloroquina e a hidroxicloroquina os compostos mais pesquisados: 3.838 pessoas fazem parte de dez estudos. Em um deles, o Hospital São José de Doenças Infecciosas, em Fortaleza, associou os dois medicamentos para tratar 300 doentes.

O uso dos remédios vem causando divergências entre Bolsonaro e Mandetta, que quase foi demitido. O ministro declarou que solicitou um estudo para que o Conselho Federal de Medicina que se posicione a respeito do medicamento, até o dia 20 de abril.

USP e Fiocruz na linha de frente

Além de publicar o promissor estudo sobre o Atazanavir — um antirretroviral que quebra a enzima responsável pela multiplicação do novo coronavírus no organismo — a Fiocruz foi escolhida pela OMS (Organização Mundial da Saúde) para investigar, no Brasil, a eficácia de quatro tratamentos para a covid-19, em 18 hospitais de 12 estados. Serão testados a cloroquina, o remdesivir, a combinação liponavir e ritonavir, isolado ou combinado ao Interferon Beta 1a.

"Estudos com número limitado de pacientes, e sem o adequado controle, como são a maior parte dos estudos registrados até o momento, podem demorar a conseguir uma resposta, ou nem mesmo chegar a ela", diz a diretora do Instituto Nacional de Infectologia da Fiocruz, Valdiléa Veloso,

Mas é a Faculdade de Medicina da USP quem mais registrou pesquisas na Conep: dez ao todo. Assim como a Fiocruz, a universidade desenvolve uma vacina contra a Sars-Cov-2 (nome oficial do vírus). Diferentemente da versão norte-americana da vacina, que usa moléculas sintéticas de RNA mensageiro, a versão brasileira utiliza Partículas Semelhantes a Vírus (VLPs, na sigla em inglês).

As semelhanças entre as partículas sintéticas e às do coronavírus permitem que as VLPs sejam reconhecidas pelo sistema imunológico, sem a necessidade de introduzir no paciente o material genético do vírus, o que tornaria a versão brasileira mais segura, segundo a USP.

O Instituto de Ciências Biomédicas da USP também recebeu autorização, de uma grande farmacêutica, para testar cerca de 1.500 medicamentos já existentes. "A análise de fármacos já aprovados para outros usos é a estratégia mais rápida que a ciência pode fornecer para ajudar no combate à covid-19", explica o pesquisador da Fiocruz Thiago Moreno.

A última novidade divulgada pela USP é o uso do plasma sanguíneo de pacientes já recuperados da doença. "Existem alguns casos de H1N1 em que pessoas foram curadas por esse método", explica o chefe da divisão de Hematologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP e presidente do Hemocentro de São Paulo, professor Vanderson Rocha.

Ele pondera que o tratamento deve ser voltado a pacientes "que ainda não evoluíram para uma doença pulmonar grave". "Não acredito que os entubados se beneficiarão", afirma Rocha, para quem a contraindicação deverá se reservar aos pacientes com insuficiência cardíaca.

"São utilizados entre 200 e 400 ml de plasma no tratamento. O coração desses pacientes sofre para processar o excesso de líquido", argumenta. "Já os doadores devem ter entre 18 e 60 anos, sem histórico de doenças infecciosas. As doadoras mulheres não podem ter tido filho ou sofrido aborto."

Falta de verba compromete pesquisas

Para o professor da USP, a pandemia acelerou o processo para a aprovação das pesquisas no Brasil. O problema, diz ele, é a falta de investimento público.

"A pesquisa tem sofrido muito nos últimos anos por falta de verbas. Os pesquisadores recebem salários ridículos, mas nessas horas são chamados para salvar a pátria", pontua.

Isso tudo mostra que a saúde e a pesquisa devem ser valorizadas. Se tivéssemos mais preparados, os resultados no Brasil seriam ainda melhores.
Vanderson Rocha, do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP

Pesquisadores brasileiros sequenciam genoma do coronavírus

redetv

Coronavírus