PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
10 meses

Bolsonaro: Abrir comércio é risco que corro. Se piorar, vem para o meu colo

Hanrrikson de Andrade

Do UOL, em Brasília

17/04/2020 12h08Atualizada em 17/04/2020 15h21

Resumo da notícia

  • Segundo presidente, reabertura de lojas é "atitude arriscada" diante da pandemia, "mas necessária para manter o emprego"
  • Defensor de isolamento social só para idosos e grupos de risco, ele afirma que população quer volta do comércio
  • Bolsonaro voltou a dizer que demitiu Mandetta por causa da divergência de opinião sobre a quarentena e que o ex-ministro fez "seu melhor"

O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) admitiu hoje estar ciente do risco de remar contra as autoridades sanitárias em todo o planeta e defender com veemência a flexibilização do isolamento social, medida necessária ao enfrentamento da pandemia do coronavírus.

Em discurso durante a solenidade de posse do novo ministro da Saúde, Nelson Teich, no Palácio do Planalto, Bolsonaro disse que, se a situação da pandemia se agravar por causa do aumento de pessoas nas ruas, a responsabilidade pode parar no "seu colo".

"A história lá na frente vai nos julgar [ele e Mandetta]. Eu peço a Deus para que nós estejamos certos lá na frente. Então, essa briga de começar a abrir para o comércio é um risco que eu corro, porque, se agravar, vem para o meu colo", disse o presidente.

Desde que a crise provocada pela propagação do coronavírus, Bolsonaro ainda não havia considerado publicamente possíveis danos em razão de sua posição em defesa da flexibilização do isolamento social — ponto central de discordância com Luiz Henrique Mandetta (DEM), demitido pelo presidente ontem.

Na visão do presidente, mandar fechar o comércio e interromper a rotina nas cidades traz prejuízos à economia do país e pode provocar desemprego em massa. Portanto, voltar à normalidade seria, de acordo com o seu entendimento, "uma atitude arriscada, mas necessária para manter o emprego".

Por outro lado, o mandatário observou que, se ocorrer o agravamento da crise de saúde e um aumento exponencial do número de mortes, a responsabilidade pode parar no "seu colo".

Segundo o Ministério da Saúde, o Brasil ainda não atingiu o pico de casos de contaminações pela covid-19. Isso deve ocorrer entre o fim de abril e meados de maio, conforme mostram projeções divulgadas até o momento. Ou seja, a tendência é que haja, de fato, um agravamento desse cenário.

Além disso, autoridades de saúde alertam para o problema da subnotificação. Como há poucos testes sendo realizados, há casos de óbitos por covid-19 que ainda não foram investigados e, dessa forma, ficaram fora das estatísticas.

Os especialistas também afirmam que a flexibilização do isolamento social poderia acarretar, entre outros efeitos negativos, a aceleração da tese de agravamento e, consequentemente, o colapso do sistema de saúde, que já não teria mais capacidade para atender o número de possíveis infectados.

Suposta pesquisa

Bolsonaro também também mencionou, sem citar a qual pesquisa se referia ou dar o instituto responsável pelo levantamento, uma notícia de que metade dos prefeitos do país está dividida em relação à retomada do varejo.

"Eu acredito que muita gente já está tendo consciência de que tem que abrir. Hoje mesmo, acreditando na imprensa brasileira, vi uma matéria que [diz que] 50% dos prefeitos estão divididos no tocante à abertura [do comércio]. Até pouco tempo era 100% contra ou 99%. Eu tenho certeza de que eles sabem dessa necessidade", afirmou.

Saída de Mandetta

Em seu discurso, Bolsonaro voltou a dizer que optou por substituir Mandetta por causa da diferença de visão entre os dois. Enquanto o ex-ministro estava preocupado com os impactos na saúde pública, o presidente por diversas vezes defendeu que a economia não deveria ser sacrificada para combater a pandemia.

"A minha visão tem que ser mais ampla. Os riscos maiores, logicamente, são sobre minha responsabilidade. (...) A minha [visão] vai além das da vida, entra na economia, entra no emprego. O efeito colateral do combate ao vírus não pode ser, no meu ponto de vista, mais danoso que o próprio remédio", afirmou.

Bolsonaro também agradeceu Mandetta pelo trabalho à frente do Ministério da Saúde e disse que não há vitoriosos ou derrotados na troca de comando na pasta.

"Eu tenho certeza de que Mandetta até fez o melhor, deu o melhor de si para atingir seu objetivo, e eu agradeço do fundo do coração. Aqui não tem vitoriosos nem derrotados", declarou.

População com medo

Ao tomar posse, Teich afirmou que vê a população brasileira "com medo" em relação aos efeitos da pandemia do novo coronavírus e elegeu a falta de informação como um "desafio" para combater a doença.

Preocupado em se colocar de forma neutra no debate, Teich afirmou que, independentemente dos argumentos de quem apoia ou critica o isolamento, o lado humano se impõe em um momento como esse.

Não importa se é saúde ou economia, não importa o que você fala, o final é sempre gente
Nelson Teich, novo ministro da Saúde

Ele afirmou que a população está com medo e associou o momento atual a um filme. O ministro citou como exemplo o Rio de Janeiro, onde ele mora com a família. Afirmou ter ficado assustado com a quantidade de indivíduos com máscaras nas ruas no trajeto realizado até o aeroporto Santos Dumont, na região central da capital fluminense, pouco antes da viagem a Brasília.

"A gente vive não só um problema clínico que é administrar uma sociedade que está com muito medo. E a gente vai ter que trabalhar que a gente vai levar para as pessoas um começo de uma solução", explicou.

Parece um filme o que a gente está vivendo
Nelson Teich

O ministro também afirmou viver o maior desafio da carreira. "Hoje eu recebo o maior desafio da minha vida profissional. Em um momento tão difícil ter a oportunidade de ajudar as pessoas desse país é uma oportunidade única. Eu vivi durante muito tempo a interação médica, como clínico, as pessoas são muito próximas. E isso é uma coisa que me mudou."

Coronavírus