PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
11 meses

Ex-ministro critica flexibilização em SP: 'Doria não suportou a pressão'

Arthur Chioro julgou "inexplicável" a decisão do governador de permitir a flexibilização na capital paulista - Marcelo Camargo/Agência Brasil
Arthur Chioro julgou "inexplicável" a decisão do governador de permitir a flexibilização na capital paulista Imagem: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Do UOL, em São Paulo

08/06/2020 12h55Atualizada em 08/06/2020 17h03

Arthur Chioro, médico e ex-ministro da Saúde do governo Dilma Rousseff (PT) entre 2014 e 2015, criticou João Doria (PSDB), governador de São Paulo, por flexibilizar o isolamento no estado em meio à pandemia do novo coronavírus.

"Faltaram coerência e coragem para manter o isolamento. Doria não suportou a pressão de setores econômicos e dos prefeitos, estes também tensionados pelos empresários", disse Chioro em entrevista publicada ontem no site do jornal Diário do Grande ABC.

O médico julgou "inexplicável" a decisão do governador de permitir a flexibilização na capital paulista enquanto as demais cidades da Grande São Paulo permanecem com medidas mais restritivas, e disse que o plano de retomada "terá graves consequências".

Para Chioro, o ritmo da pandemia deve desacelerar nas regiões metropolitanas de São Paulo, do Rio de Janeiro e nos grandes centros urbanos das regiões Norte e Nordeste, mas haverá uma "periferização da covid nas grandes cidades e a sua interiorização".

O ex-ministro da Saúde também disse que o novo coronavírus só deixará de ser um problema "quando tivermos vacina disponível para todos, em um ou dois anos" ou "quando a maioria da população mundial for infectada pelo coronavírus, o que poderia demorar anos".

"Até lá, a vida pós-pandemia exigirá a adoção de cuidados sanitários individuais e coletivos, como o uso permanente das máscaras, de álcool gel e a lavagem frequente das mãos", pontuou.

Coronavírus