PUBLICIDADE
Topo

Brasil passa de 50 mil mortos por coronavírus, aponta consórcio de imprensa

Paciente infectado pelo novo coronavírus fica em leito isolado na UTI do hospital Gilberto Novaes, em Manaus  - Andre Coelho/Getty Images
Paciente infectado pelo novo coronavírus fica em leito isolado na UTI do hospital Gilberto Novaes, em Manaus Imagem: Andre Coelho/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

20/06/2020 18h57Atualizada em 20/06/2020 20h39

O Brasil ultrapassou hoje 50 mil mortes pelo novo coronavírus, com 968 óbitos e 30.972 casos confirmados nas últimas 24 horas. Na contagem desde o início da pandemia, o país atingiu total de 50.058 mortes e 1.070.139 infectados pela doença. Os números são do levantamento de um consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte.

Do total enviado, faltam apenas os dados da Secretaria de Saúde de Rondônia. A assessoria de imprensa afirmou que teve problemas com o levantamento em função de uma manutenção elétrica.

Já o Ministério da Saúde anunciou hoje que o país atingiu 49.976 óbitos e 1.067.579 casos confirmados — foram 1.022 mortes registradas entre ontem e hoje, além de 34.666 novos diagnósticos.

Veículos se unem em prol da informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro (sem partido) de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de Covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa desde a semana passada e assim buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, a quantidade de óbitos registrados em 24 horas, segundo levantamento do consórcio, é de 968 e não 364 como divulgado num primeiro momento. A informação já foi corrigida.

Coronavírus