PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Esse conteúdo é antigo

Brasil passa de 50 mil mortos por coronavírus, aponta consórcio de imprensa

Paciente infectado pelo novo coronavírus fica em leito isolado na UTI do hospital Gilberto Novaes, em Manaus  - Andre Coelho/Getty Images
Paciente infectado pelo novo coronavírus fica em leito isolado na UTI do hospital Gilberto Novaes, em Manaus Imagem: Andre Coelho/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

20/06/2020 18h57Atualizada em 20/06/2020 20h39

O Brasil ultrapassou hoje 50 mil mortes pelo novo coronavírus, com 968 óbitos e 30.972 casos confirmados nas últimas 24 horas. Na contagem desde o início da pandemia, o país atingiu total de 50.058 mortes e 1.070.139 infectados pela doença. Os números são do levantamento de um consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte.

Do total enviado, faltam apenas os dados da Secretaria de Saúde de Rondônia. A assessoria de imprensa afirmou que teve problemas com o levantamento em função de uma manutenção elétrica.

Já o Ministério da Saúde anunciou hoje que o país atingiu 49.976 óbitos e 1.067.579 casos confirmados — foram 1.022 mortes registradas entre ontem e hoje, além de 34.666 novos diagnósticos.

Veículos se unem em prol da informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro (sem partido) de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de Covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa desde a semana passada e assim buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Errata: o texto foi atualizado
Diferentemente do informado, a quantidade de óbitos registrados em 24 horas, segundo levantamento do consórcio, é de 968 e não 364 como divulgado num primeiro momento. A informação já foi corrigida.

Coronavírus