PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
8 meses

Covid: sem dados de SP, Brasil contabiliza 897 novas mortes em 24 horas

Do UOL, em São Paulo

28/07/2020 19h19Atualizada em 28/07/2020 22h36

O Brasil teve 897 novas mortes causadas por covid-19 contabilizadas nas últimas 24 horas pelas secretarias estaduais, apontou levantamento feito pelo consórcio de veículos de imprensa do qual o UOL faz parte. Os dados indicam que o país ultrapassou a marca de 88 mil vítimas da infecção provocada pelo novo coronavírus. São 88.634 óbitos desde o início da pandemia.

Os dados apurados pelo grupo de veículos também apontaram a inclusão de 38.252 novos casos no mesmo período, o que eleva o total de infectados a 2.484.649. Dois estados não enviaram dados a tempo do fechamento do balanço das 20h (horário de Brasília): São Paulo (leia mais abaixo) e Pará.

Nas contas do Ministério da Saúde, o balanço de hoje informou que entraram nas contas, de ontem para hoje, mais 921 novas mortes por covid-19. O total de vítimas agora chegou a 88.539 em todo o Brasil. O país também se aproximou neste balanço da marca de 2,5 milhões de infectados. O estado de São Paulo não atualizou os dados hoje. No caso do Pará, a pasta informou que a secretaria estadual "verificou algumas inconsistências na base e corrigiu duplicidades" e que "o número total de óbitos informados hoje é menor do que o reportado ontem".

Isso ajuda a explicar por que o total de novos registros de óbitos ficou mais baixo na comparação com os resultados das últimas terças-feiras, quando normalmente os números são maiores por causa do represamento de dados nos fins de semana. No dia 21 deste mês, por exemplo, foram 1.367 novas mortes na conta do governo, e 1.346 no levantamento do consórcio de imprensa. Na anterior, no dia 14, foram 1.300 nos dados do ministério e 1.341 pelas contas do grupo de veículos.

A não divulgação também impactou diretamente nas médias móveis dos dois estados e de suas respectivas regiões, Sudeste (-10%) e Norte (-2%), que mantiveram estabilidade, mas apresentaram queda nos números nesta terça.

O Nordeste se mantém como única região em queda (-19%), enquanto Centro-Oeste (+23%) Sul (+23%) mantiveram alta. Veja a oscilação nos estados:

  • Aceleração: DF, GO, MG, MS, RO, RR, RS, SC e TO
  • Estabilidade: AP, BA, ES, PB, PI, PR, RJ e SE
  • Queda: AC, AL, AM, CE, MA, MT, PE e RN

Até ontem (27), São Paulo mantinha estabilidade e o Pará, alta.

Os novos dados do governo federal indicaram que a pasta incluiu na conta, de ontem para hoje, 40.816 novos diagnósticos positivos para a doença. Agora, o país acumula 2.483.191 infectados. Também não foram contabilizados novos casos em São Paulo nas últimas 24 horas.

O ministério anunciou também que 673.092 pacientes seguem em acompanhamento. Outros 1.721.560 casos estão considerados como recuperados da covid-19.

Em nota, o governo de São Paulo afirmou que os dados de hoje estão em reprocessamento, e alegou que "foi necessário readequar a rotina de extração das informações do SIVEP, uma vez que o Ministério da Saúde inseriu novos campos no sistema de notificação dos casos graves, e esta alteração impactou o processo de extração automatizada realizada diariamente pela Secretaria".

O Ministério da Saúde, por sua vez, disse que "a Secretaria Estadual de Saúde de São Paulo informou ter tido dificuldades para exportar a base de dados a tempo de atualizar o painel nacional. Desta forma, os dados serão atualizados nesta quarta-feira (29)".

Goiás está em estado de calamidade

O governo federal publicou hoje no Diário Oficial da União uma portaria que reconhece o estado de calamidade pública em Goiás, em decorrência da pandemia de covid-19. Segundo dados do Ministério da Saúde, até as 19h de ontem Goiás registrava 57.985 casos confirmados de covid-19, com 1400 mortes.

Aumenta o contágio entre idosos em São Paulo

Novos resultados do inquérito sorológico realizado pela Prefeitura de São Paulo apontam que 11,1%, dos moradores da cidade contraíram o novo coronavírus, o que representa ou mais de 1.320.000 milhão de pessoas. Segundo os resultados, houve uma prevalência de casos confirmados em pessoas acima de 65 anos (13,9%). Os dados da fase 2 do levantamento foram divulgados hoje pelo prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), e pelo secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido.

Hoje mais cedo, Covas disse que a capital avalia lançar um projeto em breve com protocolos sanitários para que os bares e restaurantes possam utilizar as calçadas, mas que não atrapalhe a circulação dos pedestres. A medida, prevista para agosto, deve começar pelas regiões do Centro e Itaim Bibi.

Veículos se unem em prol da informação

Em resposta à decisão do governo Jair Bolsonaro (sem partido) de restringir o acesso a dados sobre a pandemia de covid-19, os veículos de comunicação UOL, O Estado de S. Paulo, Folha de S. Paulo, O Globo, G1 e Extra formaram um consórcio para trabalhar de forma colaborativa e assim buscar as informações necessárias diretamente nas secretarias estaduais de Saúde das 27 unidades da Federação.

O governo federal, por meio do Ministério da Saúde, deveria ser a fonte natural desses números, mas atitudes recentes de autoridades e do próprio presidente colocam em dúvida a disponibilidade dos dados e sua precisão.

Coronavírus