PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

DF adianta para domingo início do lockdown, que será total; veja o que muda

"Ninguém fica feliz, mas é preciso ter responsabilidade", disse Ibaneis Rocha (MDB) ao Correio Braziliense - Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo
"Ninguém fica feliz, mas é preciso ter responsabilidade", disse Ibaneis Rocha (MDB) ao Correio Braziliense Imagem: Mateus Bonomi/AGIF/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

26/02/2021 18h07Atualizada em 26/02/2021 21h06

O governador do Distrito Federal, Ibaneis Rocha (MDB), anunciou que vai antecipar para 0h01 deste domingo (28) o início do lockdown (confinamento total), antes previsto para a próxima segunda-feira (1º). As restrições agora valerão para o dia todo, e não apenas das 20h às 5h, como anunciado ontem.

"A escalada dos casos nos obriga a interferir diretamente, e eu decidi decretar lockdown para tentar conter esse avanço da doença. Ninguém fica feliz com uma decisão dessa, ao contrário, mas é preciso ter responsabilidade nessa hora, ainda que seja uma medida impopular. Só os serviços fundamentais vão funcionar", adiantou Ibaneis ao jornal Correio Braziliense.

No período de vigência do lockdown, segundo decreto publicado agora à noite no Diário Oficial do DF, ficam suspensas todas as atividades comerciais e industriais, incluindo o funcionamento de cinemas, teatros, escolas, universidades, museus e boates, além do atendimento ao público em shoppings.

Bares, restaurantes, salões de beleza, comércio ambulante e construção civil também devem parar.

Entre os estabelecimentos autorizados a funcionar, estão:

  • supermercados, hortifrutigranjeiros, minimercados, mercearias;
  • farmácias, incluindo aquelas localizadas dentro de shoppings;
  • postos de combustíveis;
  • hospitais, clínicas e consultórios médicos e odontológicos, laboratórios e farmacêuticas;
  • clinicas veterinárias;
  • funerárias e serviços relacionados;
  • serviços de fornecimento de energia, água, esgoto, telefonia e coleta de lixo;
  • lojas de material de construção;
  • cultos, missas e rituais de qualquer credo ou religião.

Os serviços de delivery, drive-thru e take-away ("pegar e levar") também estão liberados, desde que sem abertura para atendimento ao público. O consumo de produtos no local e a disponibilização de mesas e cadeiras estão proibidos.

Quase 90% das UTIs ocupadas

Neste momento, o DF tem ocupação de 88,61% dos leitos públicos de UTI (Unidade de Terapia Intensiva) para pacientes de covid-19, segundo últimos dados disponibilizados pela Sala de Situação da Secretaria de Saúde. Na rede privada, essa taxa é de 86,19% para leitos adultos e de 100% para leitos pediátricos.

Mais cedo, o governador inaugurou uma nova ala no Hospital Regional de Samambaia (HRSam) com mais sete leitos, prometendo ativar outros 20 no Hospital de Campanha de Ceilândia e 40 no Hospital Regional de Santa Maria.

Restrições também no Congresso

O decreto anterior, que previa lockdown somente das 20h às 5h, também afetou os trabalhos no Congresso Nacional. O presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), assinou um ato proibindo a entrada de visitantes na Casa enquanto durarem as restrições impostas pelo governo distrital.

"Fica vedado o acesso de visitantes às dependências do Senado Federal durante o período em que estiver vigente no Distrito Federal as medidas temporárias de enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente da pandemia de covid-19", diz um trecho do documento assinado por Pacheco.

A Câmara dos Deputados deve adotar a mesma medida. Em nota ao UOL, a assessoria do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), informou que o deputado conversou com Ibaneis Rocha, que recomendou a restrição da circulação de visitantes. Lira concordou e comunicou o primeiro-secretário da Câmara, deputado Luciano Bivar (PSL-PE), que deve formalizar a decisão em ato ainda hoje.

Errata: o texto foi atualizado
O início do lockdown do Distrito Federal está programado para 0h01 de domingo (28), e não sábado (27), como informado anteriormente. A matéria e a chamada na home do UOL foram corrigidas.

Coronavírus