PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Cidade do Rio de Janeiro suspende vacinação de adolescentes de 12 e 13 anos

Arquivo - Adolescente recebe vacina - iStock
Arquivo - Adolescente recebe vacina Imagem: iStock

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

18/09/2021 10h47

A Prefeitura do Rio de Janeiro suspendeu a vacinação de adolescentes de 12 e 13 anos por falta do imunizante da Pfizer, o único recomendado a essa faixa de idade.

Embora o Ministério da Saúde tenha recomendado aos estados que interrompam a vacinação entre adolescentes que não tenham comorbidade, o Rio decidiu continuar com a imunização. A Secretaria de Saúde da cidade confirmou ao UOL que a falta da Pfizer foi o motivo para a interrupção, já que "vacinou adolescentes de 14 anos até sexta-feira (17)".

No momento, o município não tem estoque para dar continuidade à vacinação de novos grupos etários e aguarda o envio de mais doses pelo Ministério da Saúde."
Secretaria Municipal de Saúde do Rio, em nota

"Na próxima reunião do Comitê Especial de Enfrentamento à Covid-19, o tema será debatido para decisão sobre a continuidade da vacinação de adolescentes de 13 e 12 anos", diz a secretaria.

Também falta CoronaVac

Ontem, a cidade também suspendeu a aplicação da segunda dose da vacina CoronaVac por falta do imunizante. A secretaria diz aguardar a liberação de um lote de 166 mil vacinas pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária).

Parte desse lote inclui a remessa suspensa pela agência porque a unidade responsável pelo envase não foi aprovada na inspeção da Anvisa durante a Autorização de Uso Emergencial do imunizante.

A vacinação com outros imunizantes continua, tanto para a primeira quanto para a segunda dose. Também prossegue a dose de reforço, que está sendo aplicada em idosos com mais de 90 anos e em pessoas com alto grau de imunossupressão, com 60 anos ou mais.

Ainda segundo a prefeitura, 5,3 milhões de pessoas já receberam a primeira ou dose única na cidade, 98% dos cidadãos. Cerca de 61% já completaram o ciclo vacinal.

O que diz o Ministério da Saúde?

Na noite de quarta-feira (15), o Ministério da Saúde orientou a vacinação contra o vírus apenas para pessoas entre 12 e 17 anos que tenham "deficiência permanente, comorbidades ou que estejam privados de liberdade".

A decisão estaria embasada nas orientações da OMS (Organização Mundial da Saúde) de não recomendar a imunização de adolescentes, por essa faixa etária ter poucos casos graves e faltarem estudos sobre a vacinação nesse grupo.

Especialistas contestam a decisão. Médica infectologista, Joana D'arc Gonçalves da Silva se surpreendeu com a decisão federal, uma vez que os adolescentes brasileiros têm "atividade econômica e circulam muito por diversos ambientes".

"Essa circulação do vírus é o que mais nos preocupa", diz. "Para o coletivo, a decisão é ruim". Ela diz que a mudança "vai retardar ainda mais o fim da pandemia", permitindo "o ambiente para o aparecimento de novas variantes".

Para ela, a única justificativa para suspender a vacinação é a falta de doses. "Se o critério for diminuir custos por falta de insumo, aí sim, é preciso priorizar quem tem mais risco de adoecer", defende.

Coronavírus