PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Cinco pessoas roubam comprovantes de vacinação após recusarem vacina no Rio

Passaporte de vacinação passou a valer na cidade do Rio desde 27 de agosto - Foto: Tânia Rêgo/ Agência Brasil
Passaporte de vacinação passou a valer na cidade do Rio desde 27 de agosto Imagem: Foto: Tânia Rêgo/ Agência Brasil

Wanderley Preite Sobrinho

Do UOL, em São Paulo

19/09/2021 12h56

Treze pessoas tentaram e cinco conseguiram roubar o comprovante de vacinação mesmo depois de recusarem a vacina contra a covid-19 na cidade do Rio de Janeiro.

Em 27 de agosto, a Prefeitura do Rio publicou decretos obrigando a apresentação de comprovante de vacinação para acesso a uma série de estabelecimentos, como academias de ginástica, estádios e ginásios esportivos, cinemas, teatros, museus, galerias e exposições de arte, convenções, conferências, entre outros.

Ao UOL, a Secretaria Municipal de Saúde confirmou as tentativas e os roubos, já registrados em boletim de ocorrência.

Foram contabilizados cinco casos em que o roubo do comprovante de vacinação se consumou, além de pelo menos oito tentativas frustradas pelos profissionais de saúde, que conseguiram recuperar os documentos."
Secretaria Municipal de Saúde, do Rio

Ontem (18) uma mulher de 41 anos apresentou os documentos, recebeu o cartão de vacinação, mas recusou a vacina no momento da aplicação. Mesmo assim, ela não quis devolver o comprovante emitido e agrediu uma técnica de enfermagem.

"Em todos os BOs foram fornecidos à autoridade policial os nomes e CPFs dos acusados", afirmou a pasta, que guardou o sigilo dos nomes.

Dos cinco casos consumados, três foram em Bangu, um na Barra da Tijuca e outro em Marechal Hermes.

"Quem subtrai e usa documentos de vacinação adulterados comete crime e está sujeito às penalidades legais", diz a pasta.

Mesmo que o roubo não tenha sido concretizado, o ato de tentar deixar a unidade de saúde com o comprovante de vacinação, mas sem se vacinar, está sujeito a multa de R$ 1.000 estipulada em lei aprovada na semana passada pela Câmara Municipal da cidade.

Coronavírus