PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
6 meses

Governo de SP negocia acordo com Pfizer para compra de vacina para crianças

O governador João Doria (PSDB) autorizou a Secretaria Estadual de São Paulo a procurar a Pfizer para a compra de vacinas para crianças após o aval da Anvisa - Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo
O governador João Doria (PSDB) autorizou a Secretaria Estadual de São Paulo a procurar a Pfizer para a compra de vacinas para crianças após o aval da Anvisa Imagem: Tiago Queiroz/Estadão Conteúdo

Do UOL, em São Paulo

17/12/2021 10h03Atualizada em 17/12/2021 12h26

O governo de São Paulo negocia um acordo com a farmacêutica Pfizer para a compra de vacinas destinadas a crianças de 5 a 11 anos. Ontem, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) liberou a aplicação do imunizante para a faixa etária.

No mesmo dia, a Secretaria Estadual de Saúde enviou um ofício manifestando interesse na compra de vacinas da Pfizer, a única com aval da Anvisa para ser aplicada em crianças. O pedido da Pfizer para doses pediátricas chegou à Anvisa no dia 12 de novembro, mas o governo Jair Bolsonaro (PL) ainda não fechou acordo com a farmacêutica para a compra das vacinas.

"Ontem, orientei nosso secretário da Saúde e também a coordenadora do PEI (Programa Estadual de Imunização) a procurarem a Pfizer e negociarem a aquisição da vacina para aplicação em crianças de 5 a 11 anos, independentemente do Ministério da Saúde e do Programa Nacional de Imunização", afirmou hoje o governador Doria durante a inauguração de uma estação de metrô.

Segundo ele, a orientação foi dentro dos preceitos legais e São Paulo tem recursos em caixa para a compra de doses pediátricas para as 8 milhões de crianças que vivem no estado.

Ontem, o ministro Marcelo Queiroga chegou a dizer que não haverá vacinação em crianças em 2021 e que é necessário discutir o tema com a sociedade. Nas redes sociais, o governador e presidenciável João Doria (PSDB) criticou a decisão e afirmou que o governo Jair Bolsonaro (PL) "continua relativizando uma pandemia que arruinou famílias inteiras".

"Inadmissível o Governo Federal não iniciar imediatamente a vacinação das nossas crianças. É muito descaso com a vida dos brasileiros", escreveu Doria nas redes sociais.

A vacina para as crianças corresponde a um terço da aplicada nos adultos. Em nota, a Pfizer afirma que o contrato com o governo federal, para fornecimento de 100 milhões de vacinas em 2022, inclui a possibilidade de entrega das versões modificadas do imunizante para crianças.

O estado de São Paulo está vacinando adolescentes a partir de 12 anos e adultos. Mais de 78% da população está com o esquema vacinal completo (de duas doses) e 85,1% da população tomou pelo menos uma dose da vacina.

Veja a diferença entre as doses de adulto e de crianças menores de 12 anos

Maiores de 12 anos
Dose: 30 microgramas
Volume: 0,3 ml
Doses por frascos: 6
Cor do frasco: roxa

Crianças de 5 a 11 anos
Dose: 10 microgramas
Volume: 0,2 ml
Doses pro frasco: 10
Cor do frasco: Laranja

O armazenamento após o descongelamento do imunizante para adultos dura por 1 mês se a vacina for conservada entre 2ºC e 8ºC, enquanto esse tempo chega a dez semanas para a versão infantil, desde que mantida na mesma temperatura.

Bolsonaro pede nomes da Anvisa que liberaram vacina para crianças

Durante transmissão ao vivo nas redes sociais, o presidente Jair Bolsonaro (PL) afirmou ter pedido o nome dos integrantes da Anvisa responsáveis pela aprovação da vacina para crianças.

"Eu pedi extraoficialmente o nome das pessoas que aprovaram a vacina para 5 a 11 anos. Nós queremos divulgar o nome dessas pessoas", afirmou. "A responsabilidade é de cada um. Mas agora mexe com as crianças, então quem é responsável por olhar as crianças é você, pai."

A decisão da Anvisa foi anunciada em uma reunião pública da diretoria do órgão. Também foram ouvidos especialistas da Associação Brasileira de Saúde Coletiva (Abrasco), Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT), Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI), Sociedade Brasileira de Imunologia (SBI) e Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

Coronavírus