PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Em encontro com Pfizer, Bolsonaro fala em fechar contrato por 'agressividade' do vírus no Brasil

O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento com prefeitos em Brasília - Ueslei Marcelino - 23.fev.21/Reuters
O presidente Jair Bolsonaro discursa em evento com prefeitos em Brasília Imagem: Ueslei Marcelino - 23.fev.21/Reuters

Por Ricardo Brito

08/03/2021 14h28

BRASÍLIA (Reuters) - O presidente Jair Bolsonaro (sem partido) afirmou hoje, em reunião virtual com executivos da Pfizer, que gostaria de fechar contrato para a compra de vacinas do laboratório norte-americano diante da agressividade do coronavírus no Brasil.

"Todo esse momento quero apenas agradecer a gentileza desse encontro, reconhecemos a Pfizer como uma grande empresa mundial, grande espaço no Brasil também e, em havendo, repito, possibilidades, nós gostaríamos de fechar contratos com os senhores até pela agressividade que o vírus tem se apresentado no Brasil", disse Bolsonaro, em curto trecho divulgado em uma rede social do presidente.

"Muito obrigado a todos, bom dia e Deus nos abençoe", concluiu o presidente.

O governo federal tenta acelerar a vacinação no Brasil em meio a críticas sobre a lentidão no processo de imunização da população e diante do forte aumento recente no número de casos e mortes da doença no país.

Em entrevista após o encontro, o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o governo federal fechou acordo com a Pfizer que prevê a entrega de 14 milhões de doses de vacina contra covid-19 da farmacêutica norte-americana ao Brasil até junho, com antecipação de 5 milhões de doses nesse período.

Guedes participou da reunião com Bolsonaro e outros ministros com a cúpula mundial da Pfizer no Palácio do Planalto. A assinatura do contrato, entretanto, ainda não foi formalizada.

Bolsonaro criticou várias vezes a proposta de contrato da Pfizer, pelo fato de o laboratório não querer assumir responsabilidades em caso de efeitos adversos em pessoas vacinadas.

Um projeto aprovado pelo Congresso na semana passada, no entanto, autoriza União, estados e municípios a assumir a responsabilidade civil por eventuais eventos adversos decorrentes da imunização contra a covid-19 durante a emergência em saúde pública.

A expectativa do governo é fechar um acordo para receber 100 milhões de doses da vacina da Pfizer até o final do ano. O laboratório é o único até o momento que obteve registro de uso definitivo pela Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), o que poderia permitir uma vacinação em massa no país.

Coronavírus