Escócia adia votação sobre referendo separatista

Em Edimburgo

  • Russell Cheyne/Reuters

O parlamento escocês suspendeu nesta quarta-feira (22) um debate crucial sobre a autorização a referendo separatista, depois do ataque terrorista cometido em Londres.

"Em função do fato de nosso parlamento irmão ter sofrido um sério incidente afeta este debate em particular", explicou a presidente da assembleia escocesa, Ken Macintosh, em referência ao ataque em Westminster, em pleno coração de Londres.

O Parlamento da Escócia, onde os nacionalistas são a primeira força, mas sem maioria absoluta, ia votar o pedido de um segundo referendo de independência.

Se os deputados verdes apoiarem a solicitação da primeira-ministra regional Nicola Sturgeon, a demanda prosperará e o governo da primeira-ministra britânica Theresa May terá que decidir se concede o segundo plebiscito de independência da região do norte.

May, no entanto, já afirmou que não aceita que o referendo aconteça no prazo desejado por Sturgeon, entre o fim de 2018 e o início de 2019, porque a perspectiva de uma ruptura teria um impacto negativo nas negociações de saída da União Europeia (UE), que estarão próximas do fim ou teriam acabado recentemente no período citado.

A Escócia rejeitou a independência no referendo de setembro de 2014 (55%-45%), mas o Partido Nacional Escocês (SNP) de Sturgeon acredita que a saída da UE - contra a opinião da maioria dos escoceses - exige que o país se pronuncie novamente sobre sua aliança com o restante do Reino Unido - Inglaterra, Gales e Irlanda do Norte.

May acusou na sexta-feira o SNP de praticar um "nacionalismo obsessivo e que provoca divisão". Ela defendeu a "preciosa união" que sustenta o país e disse que "não é o momento" para outro plebiscito.

Nos últimos dias, Sturgeon deu a entender que está aberta a mudar a data dentro de "limites razoáveis".

Apesar da mudança de circunstâncias com a vitória do Brexit no referendo de 23 de junho de 2016, as pesquisas não apontam um apoio majoritário dos escoceses à independência.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos