Brexit: os 9 meses que sacudiram o Reino Unido

Londres, 27 Mar 2017 (AFP) - No dia 29 de março, Londres anuncia formalmente aos demais membros da União Europeia que deixará o bloco, invocando o Artigo 50 do Tratado de Lisboa.

Abaixo estão os momentos mais relevantes desde que, há nove meses, os britânicos votaram a favor da saída da UE.

-- 2016 --- Os britânicos votam a favor do Brexit - Em 23 de junho, 17,4 milhões de britânicos votaram a favor de pôr fim a 43 anos de integração na União Europeia, uma proporção de 52% a 48%.

- A libra despenca - O resultado do referendo surpreendeu as Bolsas, que logo se recuperaram. Já o efeito sobre a libra foi mais duradouro: desde 23 de junho, desvalorizou-se mais de 15% em relação ao euro e ao dólar.

- Mudança de governo -Em 24 de junho, um dia depois do referendo, o primeiro ministro conservador David Cameron, que convocou o referendo e liderou a campanha a favor da permanência na UE, apresentou sua renúncia.

Na corrida para sucessão, o rosto mais conhecido da campanha, a favor da ruptura com a UE, o ex-prefeito de Londres Boris Johnson, se retirou surpreendentemente no último minuto, cedendo lugar para uma figura de consenso: a ministra do Interior Theresa May.

- A ascensão dos partidários do Brexit - Em 13 de julho, May foi nomeada primeira-ministra e colocou três relevantes eurocéticos em postos-chave do governo, prometendo que o Brexit não tem volta.

Johnson foi nomeado ministro das Relações Exteriores, Liam Fox de Comércio Internacional, e David Davis ministro de uma nova pasta, a do Brexit, encarregada de administrar a saída.

- Prazos para o Brexit são concretizados -Em 2 de outubro, May anunciou que, em março de 2017, no máximo, ativaria o Artigo 50 do Tratado de Lisboa, mecanismo formal para abandonar a UE, em um prazo de dois anos de negociações.

- Recusa judicial - Em 3 de novembro, a Alta Corte decidiu que o governo precisava de aprovação parlamentar para iniciar o processo Brexit.

O tabloide do Daily Mail condenou aos juízes como "Inimigos do Povo" e o governo apelou.

Em 24 de janeiro de 2017, a Suprema Corte confirmou a decisão, embora tenha afirmado que o governo não tem obrigação de consultar a Escócia, a Irlanda do Norte e Gales nas negociações.

-- 2017 --- Ruptura - Em 17 de janeiro, May pronunciou um discurso expondo sua estratégia para o Brexit. Previamente, havia prometido reduzir a imigração procedente da UE e, pela primeira vez, admitiu que isso custaria ao Reino Unido o abandono do mercado único europeu.

Além disso, ameaçou deixar a UE sem acordo: "nenhum acordo é melhor do que um acordo ruim".

- Trump apoia Londres -Em 27 de janeiro, May tornou-se a primeira líder estrangeira a ser recebida na Casa Branca pelo recém-eleito presidente Donald Trump.

Trump classificou de "maravilhosa" a decisão da Grã Bretanha de deixar a UE e elogiou a "relação especial" entre os dois países.

- Parlamento apoia Brexit -Em 13 de março, o Parlamento aprovou a lei que deu aval a May para iniciar a ruptura com a UE, descartando emendas que pedem respeito aos direitos dos europeus que vivem no Reino Unido e outra pedindo uma votação parlamentar sobre o acordo resultante das negociações entre UE e Londres.

- Revolta escocesa -No dia 13 de março, a chefe do governo regional escocês, la nacionalista Nicola Sturgeon, anunciou que solicitará permissão ao parlamento regional para convocar um novo referendo de independência do Reino Unido, alegando que May ignora as necessidades da Escócia no Brexit, particularmente a vontade para permanecer no mercado único europeu.

- Ruptura tem data de início: 29 de março de 2017 -Em 20 de março, o governo britânico anunciou que no dia 29 do mesmo mês notificará oficialmente sua saída aos sócios europeus, ao ativar o Artigo 50 do Tratado europeu de Lisboa, dando inicio a dois anos de negociações.

doc-mc-al/eg/cc

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos