Chanceler britânico defende parceria com a Rússia apesar de divergências

Moscou, 22 dez 2017 (AFP) - Os chefes da diplomacia britânica Boris Johnson e russa Sergei Lavrov asseguraram nesta sexta-feira que desejam "avançar", apesar das múltiplas divergências após anos de relações tensas.

A primeira visita de um ministro das Relações Exteriores britânico em mais de cinco anos resultou, depois de uma reunião de uma hora e meia, em uma coletiva de imprensa que rapidamente se transformou em uma disputa verbal sobre acusações de interferência contra Moscou.

Sergei Lavrov insistiu na ausência de qualquer prova da interferência russa a favor de uma saída da União Europeia no referendo de junho de 2016. Johnson imediatamente se corrigiu, apontando não ter nenhuma prova de uma "interferência bem sucedida" e citando "inúmeras provas da interferência russa nas eleições na Alemanha, Dinamarca, França e Estados Unidos".

Os dois homens, no entanto, concordaram que Moscou e Londres deveriam tentar superar as dificuldades de anos de tensão, começando com a morte por envenenamento do ex-agente russo Alexander Litvinenko em Londres em 2006 e mais recentemente pelo conflito sírio e a crise na Ucrânia.

"Temos que encontrar uma maneira de avançar", disse Boris Johnson.

"Estamos prontos para desenvolver um diálogo sobre uma ampla gama de questões", garantiu Lavrov, enfatizando a cooperação cultural e econômica entre os dois países, apesar das sanções.

"É infelizmente verdade que nossas relações não foram boas nos anos 1990 e 2000, e que atualmente atravessam um mau momento. Mas seria inútil não fazer nada e reclamar", ressaltou Johnson.

Os dois ministros discutiram duas questões em que os seus pontos de vista se opõem fortemente: a Ucrânia, onde Londres acusa Moscou de apoiar os separatistas pró-russos no leste, e a Síria, onde a Rússia é criticada por seu apoio ao regime de Damasco.

"Não podemos ignorar as dificuldades e fingir que elas não existem", afirmou Johnson, dizendo estar pronto para "cooperar em questões que importam para o mundo".

"Acredito que há coisas que podemos fazer juntos", principalmente sobre a questão norte-coreana, o acordo nuclear iraniano e a solução para o conflito sírio.

Johnson também elogiou a cooperação com a Rússia em vista da Copa do Mundo de Futebol de 2018, bem como "sinais de progresso econômico", citando as vendas de Bentley ou chips britânicos na Rússia.

A visita de Boris Johnson à Rússia é a primeira de um chefe da diplomacia britânica e, cinco anos, um sinal do estado catastrófico das relações entre as duas capitais. Londres já havia dito na quinta-feira que Johnson pressionaria seu colega a "parar suas atividades desestabilizadoras", de acordo com uma declaração do Foreign Office.

Em novembro, a primeira-ministra britânica Theresa May denunciou atos "hostis" da Rússia, citando a crise ucraniana ou as campanhas de "ciberespionagem" e "interferência" durante os processos eleitorais.

oc-pop/gmo/roc/mr

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

UOL Newsletter

Para começar e terminar o dia bem informado.

Quero Receber

UOL Cursos Online

Todos os cursos