Topo

Texas envia mais de mil militares à fronteira com México

Verónica G. Cárdenas/AP
10abr2018 - Guarda Nacional na fronteira dos EUA com o México Imagem: Verónica G. Cárdenas/AP

El Paso (EUA)

10/04/2018 17h46

O Texas anunciou nesta terça-feira (10) que enviará mais de mil efetivos da Guarda Nacional dos Estados Unidos à fronteira com o México, em resposta ao pedido do presidente Donald Trump de reforçar militarmente as zonas fronteiriças para combater o tráfico de drogas e a imigração ilegal.

Um contingente inicial de 250 militares do Texas já foi enviado à fronteira no final de semana, junto com aeronaves de apoio, veículos e outras equipes, informou o Departamento Militar do estado.

O organismo anunciou nesta terça-feira que ativaria 300 soldados da reserva esta semana e em cada uma das semanas seguintes, para um total que superaria mil militares.

O governo americano tomou a decisão de enviar a Guarda Nacional, uma força da reserva que depende dos estados, após identificar "vulnerabilidade de segurança" na fronteira com o México.

"O número de pessoas chegando pela fronteira aumentou em mais de 200% com relação a este período no ano passado", disse o governador do Texas, Gregg Abbott, em comunicado.

"A ida da Guarda Nacional à fronteira provou ter um impacto significativo para reduzir o fluxo de pessoas e atividades ilegais" nessa área, acrescentou.

Cerca de 100 efetivos do Texas já estavam na fronteira anteriormente a pedido de Trump em funções de "observação e apoio", segundo funcionários.

Os membros adicionais ajudarão os agentes da Patrulha Fronteiriça em vigilância, comunicação e outras tarefas.

O secretário de Defesa, Jim Mattis, assinou uma ordem na semana passada para mobilizar "até 4.000 efetivos da Guarda Nacional" à fronteira sul até 30 de setembro de 2018.

Trump disse que as tropas da Guarda Nacional "provavelmente" permanecerão nessa atividade até que o país construa um muro na fronteira.

O Arizona também atendeu o pedido presidencial, mobilizando na segunda-feira 225 efetivos da divisão estadual da Guarda.

A mobilização militar elevou as tensões com o México, que na segunda anunciou que revisaria seus mecanismos de cooperação com seu vizinho do norte.

A Guarda Nacional foi enviada anteriormente à fronteira com o México em três oportunidades: em 2006 e 2008 com o presidente George W. Bush, e em 2010 com Barack Obama. Nesses três casos, a mobilização se manteve por aproximadamente um ano.