PUBLICIDADE
Topo

Desconfinamento chega às praias europeias e Espanha libera turismo em julho

Casal passeia na praia, em Valência, na Espanha, no dia 2: atividade será oficialmente permitida na fase 3 do "desconfinamento" - Getty Images
Casal passeia na praia, em Valência, na Espanha, no dia 2: atividade será oficialmente permitida na fase 3 do 'desconfinamento' Imagem: Getty Images

De Madri

23/05/2020 22h24

A Espanha anunciou neste sábado que reabrirá as portas para o turismo estrangeiro a partir de julho, enquanto as praias do sul da Europa estão cheias de visitantes cautelosos após longos meses de confinamento, um contraste completo com o crescimento imparável da pandemia na América Latina.

Os europeus redescobrem gradualmente os prazeres de caminhar ou nadar, embora sob vigilância.

O continente, que atingiu 2 milhões de infectados neste sábado, continua sendo o mais afetado por esta pandemia histórica, com mais de 173.000 mortes.

Mas foi a América Latina que passou a representar "um novo epicentro" da covid-19, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), ameaçando a estabilidade social e econômica da região.

"O mais difícil passou"

"O mais difícil passou ... a grande onda da pandemia foi superada", disse o chefe de governo espanhol, o socialista Pedro Sánchez, em entrevista coletiva.

O número médio de mortes e infecções, com exceção de algumas crises, caiu claramente nas últimas duas semanas na Espanha, o quarto país em número de mortes (28.678) no mundo, depois dos Estados Unidos, Reino Unido e Itália.

Um fato importante: a transmissão do coronavírus caiu para 0,20, como explicou Sánchez, ou seja, nem sequer é transmitida de pessoa para pessoa (1 a 1) no momento. Uma conquista na luta contra um vírus altamente contagioso, que poderia ressurgir em uma segunda onda, de acordo dom alguns cientistas.

Por esse motivo, as precauções ainda são obrigatórias na Europa.

Depois da Grécia e da França, o governo italiano autorizou seus cidadãos neste sábado a ir às praias, mas apenas para passear ou tomar banho, sem poder tomar sol na areia.

"Fiquei tão empolgado, pois senti muita falta do mar. Respirando um pouco de ar puro, colocando os pés na areia, na água, comendo um pequeno prato de espaguete. É o suficiente para mim", disse Arianna Tucci sorrindo.

O Chipre também abriu suas praias, com limites de distância entre os banhistas.

"A partir de julho, a entrada do turismo estrangeiro na Espanha em condições seguras será retomada", disse Sánchez, que também anunciou o retorno da liga de futebol em 8 de junho.

Madri e Barcelona poderão reabrir bares, museus e hotéis a partir de segunda-feira.

Mas politicamente, o governo espanhol está enfraquecido desde a primeira fase do desconfinamento.

Milhares de pessoas, convocadas pelo partido de extrema-direita Vox, tomaram as ruas de Madri e dezenas de cidades, de carro, para não violar o estado de alarme, com o espírito exaltado contra o governo.

"Foi uma gestão desastrosa. Acho que esse governo vai nos colocar em crise econômica depois de tudo o que aconteceu", disse Óscar del Olmo, engenheiro de 51 anos.

A crise econômica já é de fato uma realidade na Europa, que, como o resto do mundo, espera uma recessão gigantesca e que promete episódios novos e complicados.

A França e a Alemanha estão prontas para apresentar um plano de reconstrução de meio bilhão de euros para seus parceiros mais atingidos.

Mas neste sábado saiu um documento de quatro países (Holanda, Áustria, Suécia e Dinamarca) que se opõem a dar dinheiro, indicando que esta ajuda deve ser feita como um empréstimo.

- Angústia no Brasil, "disciplina" na Costa Rica -Enquanto isso, na América Latina, a covid-19 continua a abalar todos os países. A região está no auge da pandemia, especialmente o Brasil, com 347.398 casos e 22.013 mortes.

O gigante sul-americano deslocou a Rússia como o segundo país com mais infecções no mundo, atrás dos Estados Unidos, segundo dados do Ministério da Saúde.

Em um país de 210 milhões de habitantes e uma população mais jovem que a Europa, a proporção de jovens mortos pelo novo coronavírus é maior que a de outras nações, especialmente entre as classes mais pobres, com 69% dos mortos pelo covid-19 acima de 60 anos, segundo dados oficiais. Países como Itália e Espanha, os maiores de 60 anos representam 95% das mortes.

Outros países estão em melhor situação

A Costa Rica, que não adotou quarentenas obrigatórias ou restrições drásticas de mobilidade, mas ainda tem níveis muito baixos de contágio, luta para manter sua "conquista frágil" com "disciplina", disse o presidente Carlos Alvarado à AFP, que também observou que a retomada do campeonato de futebol em seu país nesta semana será positiva para a "saúde mental" da população.

O México, o segundo país da região com o maior número de mortes, registrou seu dia mais letal na sexta-feira com 479 mortes. O país também soma 62.527 casos confirmados e 6.989 mortes, segundo dados oficiais.

As autoridades de saúde previram que o pico de contágio no México chegaria entre 8 e 10 de maio, mas os casos continuam a aumentar.

Em toda a América Latina, mais de 37.700 pessoas morreram e cerca de 685.500 infecções foram registradas, segundo a contagem da AFP neste sábado.

Uma das principais preocupações é a imensa região amazônica, que no Brasil possui cerca de 450 infectados para cada 100.000 habitantes. No lado boliviano, o departamento amazônico de Beni, na fronteira com o Brasil, foi declarado um "desastre de saúde" após um aumento exponencial de infecções e mortes.

Beni, com cerca de 480.000 habitantes, era até 20 de abril a única região da Bolívia livre de infecções por coronavírus, mas em um mês ocupou o segundo lugar - depois de Santa Cruz - com mais de 900 dos quase 5.200 casos registrados pelo país.

No Peru, o segundo país da região em infecções e o terceiro em mortes, o governo estendeu o confinamento obrigatório até 30 de junho, embora tenha reduzido o toque de recolher noturno em Lima e nas regiões central e sul em uma hora.

O pedido de falência da Hertz

No entanto, a América Latina está longe dos 1.621.658 casos e 97.048 mortes nos Estados Unidos, onde Trump aumenta a pressão sobre os governos locais para facilitar o desconfinamento e reativar a economia, de olho na sua reeleição.

O estado de Nova York, no entanto, registrou 84 mortes nas últimas 24 horas, o número mais baixo desde 24 de março, anunciou o governador Andrew Cuomo.

Como sinal do impacto devastador da pandemia, a empresa de aluguel de carros Hertz entrou em falência nos Estados Unidos e no Canadá e demitiu 20.000 pessoas, metade da sua força de trabalho global.

Na Rússia, com mais de 317.000 casos e 3.000 mortes, as análises e a curva de desenvolvimento da epidemia indicam "aumento significativo" nas mortes por coronavírus em maio, segundo a vice-primeira-ministra russa Tatiana Golikova em uma reunião do governo.

Coronavírus