PUBLICIDADE
Topo

China acusa EUA de tomarem a ONU como refém sobre a questão de Hong Kong

Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, durante entrevista coletiva em Pequim - Reuters
Porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, durante entrevista coletiva em Pequim Imagem: Reuters

Em Pequim (China)

29/05/2020 08h25Atualizada em 29/05/2020 09h21

A China acusou o governo dos Estados Unidos de "tomar como refém" o Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas) após a solicitação de Washington para uma reunião sobre o polêmico projeto de lei chinês sobre a segurança nacional de Hong Kong.

"O Conselho de Segurança não é um instrumento que os Estados Unidos podem manipular como bem entendem", disse Zhao Lijian, porta-voz do ministério das Relações Exteriores, em uma entrevista coletiva.

Hoje, o Conselho de Segurança da ONU vai, a pedido dos EUA, discutir por videoconferência e a portas fechadas a medida chinesa que interfere na autonomia de Hong Kong.

Ontem, o parlamento chinês aprovou a polêmica lei sobre a segurança nacional em Hong Kong, apesar das ameaças de sanções dos Estados Unidos.

O anúncio do resultado da votação foi celebrado com aplausos, que duraram vários minutos, no solene Palácio do Povo, em Pequim. Xi Jinping, presidente chinês, estava presente.

No mesmo dia, chefes da diplomacia do Reino Unido, dos Estados Unidos, do Canadá e da Austrália acusaram a China de violar "suas obrigações internacionais" em uma nota conjunta.

Celso Lafer diz que Brasil não deve tomar partido nem da China nem dos EUA

Internacional