PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Eleições da Bolívia são adiadas para outubro devido à pandemia de covid-19

Previsão de autoridades do país é de pico de casos do coronavírus entre agosto e setembro - Marcelo Perez Del Carpio/Anadolu Agency via Getty Images
Previsão de autoridades do país é de pico de casos do coronavírus entre agosto e setembro Imagem: Marcelo Perez Del Carpio/Anadolu Agency via Getty Images

Da AFP, em La Paz (Bolívia)

23/07/2020 18h21

O Supremo Tribunal Eleitoral (TSE) da Bolívia adiou para 18 de outubro as eleições presidenciais e legislativas do país, que seriam realizadas em 6 de setembro, em uma segunda mudança motivada pela emergência do coronavírus.

O TSE "decidiu marcar o dia da votação das eleições gerais de 2020 no domingo, 18 de outubro", anunciou seu presidente, Salvador Romero, alegando que os relatórios médicos indicam que a pandemia terá seus picos mais altos no final de agosto e início de setembro.

Programadas inicialmente para maio, as eleições substituem as de outubro de 2019, que foram canceladas por acusações de fraude, que levaram à renúncia e saída do país do ex-presidente de esquerda Evo Morales.

O candidato de Morales, o economista Luis Arce, lidera as intenções de voto, seguido pelo ex-presidente centrista Carlos Mesa. Atrás está a presidente interina de direita, Jeanine Áñez, e há também outros cinco candidatos minoritários.

Áñez e vários ministros contraíram o coronavírus.

"A data definitiva da eleição proporciona melhores condições para a proteção da saúde, as instalações de votação no exterior e a chegada de missões internacionais de observação", argumentou o presidente do TSE.

Romero disse que um eventual segundo turno deve ocorrer em 29 de novembro e a posse das novas autoridades em dezembro.

O titular do TSE afirmou que a decisão é "resultado de considerações legais, científicas e políticas".

Sem aval do Congresso

Ao contrário do que fez anteriormente para fixar a data das eleições, desta vez o TSE não consultou os partidos nem planeja buscar o endosso do Congresso, segundo Romero.

"Esta resolução é suficiente para o corpo eleitoral definir esta nova data. Esta resolução não requer a aprovação da Assembleia Legislativa", afirmou ele em entrevista coletiva.

Segundo Romero, o TSE "tem plena competência constitucional e legal para definir a data da eleição. Estamos agindo no âmbito de nossas competências e no âmbito da lei", ressaltou.

"Desta vez, não foi realizado o processo específico de entendimento entre as organizações políticas", afirmou ele, destacando "as polarizações latentes e graves" que estão agitando a Bolívia.

Rechaço de Morales

No contexto dessa polarização, as opiniões sobre o adiamento das eleições se dividem.

Morales, líder do Movimento Rumo ao Socialismo (MAS), tuitou da Argentina que a mudança de data representa "um novo golpe contra democracia" e acrescentou que "o governo de fato quer ganhar mais tempo para continuar a perseguição contra líderes sociais e candidatos do MAS".

"Essa é outra forma de penalização. É por isso que eles não querem eleições em 6 de setembro", acrescentou o ex-presidente.

Mesa expressou seu "apoio total à nova data" e disse que a segurança sanitária deve ser prioridade. Áñez já havia se manifestado a favor do adiamento.

A Igreja Católica se juntou às forças conservadoras bolivianas na manhã desta quinta-feira para exigir o adiamento das eleições devido à escalada da pandemia, que registra no país mais de 64 mil infectados e 2.328 mortos.

Realizar as "eleições exige a maior segurança possível", disse o presidente do TSE, embora tenha admitido que "os fatores de conflito não desapareceram".

Ele reconheceu que a Bolívia sofre "sérias polarizações", que se aprofundaram em novembro do último ano após a renúncia de Morales (2006-2019) em meio a convulsões sociais e a ascensão de grupos de direita ao poder.

Segundo uma pesquisa nacional de março, o candidato do MAS tinha 33,3% das intenções de voto, Mesa contabilizava 18,3% e Áñez, 16,9%.

Em outra sondagem realizada apenas em 10 cidades e divulgada na terça-feira, que não inclui a área rural reduto eleitoral do MAS, Arce e Mesa estão empatados com 26%, seguidos por Áñez com 14%.

Cerca de sete milhões de bolivianos são chamados às urnas para escolher presidente e vice-presidente e renovar o Congresso bicameral.

Internacional