PUBLICIDADE
Topo

Eleições Americanas

Esse conteúdo é antigo

Melania Trump e Pompeo, o ponto alto da 2ª noite da convenção republicana

Evento já apelou para o fantasma do "socialismo" caso o democrata Joe Biden derrote Donald Trump - Drew Angerer e Thomas Kronsteiner/Getty Images
Evento já apelou para o fantasma do "socialismo" caso o democrata Joe Biden derrote Donald Trump Imagem: Drew Angerer e Thomas Kronsteiner/Getty Images

25/08/2020 17h05

O chefe da diplomacia americana, Mike Pompeo, e a primeira-dama Melania Trump são os destaques de hoje na convenção republicana, que já apelou para o fantasma do "socialismo" caso o democrata Joe Biden derrote Donald Trump em 3 de novembro.

Após a indicação formal de Trump, o conclave de quatro dias do partido apresentou até agora um apocalipse de ruína econômica e violência galopante se os democratas chegarem à Casa Branca.

Trump, 7,6 pontos percentuais (em média) abaixo de Biden nas pesquisas e altamente questionado por sua forma de lidar com a pandemia do coronavírus, que matou mais de 177 mil nos Estados Unidos, ficou longe da mensagem "encorajadora e positiva" que prometeu.

"Eles vão usar a covid-19 para roubar a eleição. A única maneira que eles podem nos privar da vitória é por meio de uma eleição fraudulenta", disse Trump em Charlotte, Carolina do Norte, onde a convenção está sendo realizada parcialmente em formato virtual.

Trump foi pessoalmente receber a confirmação de sua indicação, ao contrário do "sonolento Joe", como ele apelidou Biden, de 77 anos, que não deixou sua cidade natal, Wilmington, para participar da convenção democrata. O rival é quase quatro anos mais velho que Trump.

Resta saber se o tom desta nova noite republicana, que poderá ser acompanhado pela TV e internet a partir das 20h30 (horário local, 21h30 em Brasília), será mais otimista.

Pompeo, que participará com uma mensagem gravada em Israel durante uma viagem oficial, se mostrou muito entusiasmado em poder compartilhar esta noite como Trump "tem cumprido" seus compromissos desde a vitória em 2016.

"O presidente Trump garantiu a segurança da América e protegeu nossas muitas liberdades, que são a pedra angular desta grande nação", disse ele em uma rede social.

De acordo com a imprensa israelense, Pompeo falará do King David Hotel em Jerusalém, um cenário muito atraente para a base religiosa dos partidários de Trump, mas que a campanha de Biden considerou um "uso flagrante de sua posição para propósitos abertamente políticos".

Trump, "um papel destacado"

O certo é que o segundo dia da Convenção Nacional Republicana será um assunto de família: além da primeira-dama, discursarão dois dos cinco filhos de Trump: Eric, 36, e Tiffany, 26.

A estrela da noite, entretanto, será a terceira esposa da magnata do mercado imobiliário, Melania Trump, de 50 anos, que discursará às 22h30 (horário local, 23h30 em Brasília) no renovado Rose Garden da Casa Branca. Seu marido também aparecerá.

Ele retornará a "um papel de destaque esta noite", disse seu diretor de comunicações, Tim Murtaugh.

Melania, ex-modelo eslovena, buscará fazer as pessoas esquecerem o papelão de 2016, quando foi acusada de plagiar em sua mensagem trechos inteiros do discurso de Michelle Obama em 2008.

Como as outras esposas dos candidatos à Casa Branca, Melania Trump provavelmente tentará "mostrar o marido sob uma luz calorosa, humana e pessoal", disse à AFP Katherine Jellison, historiadora da Universidade de Ohio.

É improvável que suas palavras sejam dirigidas à base leal do presidente, mas podem tentar "atrair pelo menos alguns eleitores indecisos", ressaltou.

"Utopia socialista"

Apoiadores de Trump - Brendan Smialowski/AFP - Brendan Smialowski/AFP
Apoiadores de Donald Trump pedem "fim do socialismo" durante convenção republicana
Imagem: Brendan Smialowski/AFP

Os republicanos haviam prometido comemorar a indicação de Trump com discursos edificantes, mas o clima que deu início à convenção era basicamente sombrio.

Biden e sua companheira de chapa, Kamala Harris, "transformarão nosso país em uma utopia socialista", disse o senador Tim Scott.

Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente, alertou que escolher seu pai é escolher "igreja, trabalho e escola", enquanto o "esquerdista radical" Biden representa "motins, saques e vandalismo".

"Biden, Harris e o resto dos socialistas mudarão fundamentalmente esta nação", disse sua namorada Kimberly Guilfoyle, ex-apresentadora da Fox News, em um discurso que gerou polêmica ao apresentar sua mãe como filha de imigrantes de Porto Rico, um território dos EUA.

O próprio Trump insistiu que votar pelo correio leva a fraudes, uma alegação que, segundo seus oponentes, visa a suprimir a participação eleitoral e criar uma desculpa para questionar o resultado caso seja derrotado.

Eleições Americanas