PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Talibã diz aos EUA e Europa que sanções econômicas provocarão onda migratória

14.set.2021 - O Ministro das Relações Exteriores do Talibã, Amir Khan Muttaqi - Stringer/Reuters
14.set.2021 - O Ministro das Relações Exteriores do Talibã, Amir Khan Muttaqi Imagem: Stringer/Reuters

Da AFP

13/10/2021 06h34Atualizada em 13/10/2021 07h34

Os talibãs advertiram delegados dos Estados Unidos e da União Europeia (UE) sobre a possibilidade de que as sanções econômicas contra o governo afegão podem minar a segurança internacional e deflagrar uma onda de refugiados econômicos.

O ministro talibã interino das Relações Exteriores, Amir Khan Muttaqi, disse a diplomatas ocidentais em Doha que "enfraquecer o governo afegão não é do interesse de ninguém, porque seus efeitos negativos afetarão diretamente a segurança do mundo e a migração econômica do país", de acordo com um comunicado divulgado na noite de terça-feira (12).

Os talibãs, islamistas radicais, derrubaram o governo afegão apoiado pelos EUA em agosto passado, após um conflito de duas décadas para impor sua rígida interpretação da lei religiosa.

Suas tentativas de estabilizar o país, que enfrenta ataques do grupo extremista Estado Islâmico-Khorasan (EI-K), viram-se, no entanto, afetadas pelas sanções internacionais. No momento, bancos estão sem dinheiro, e funcionários públicos estão sem receber salário.

"Pedimos aos países do mundo que acabem com as sanções e permitam que os bancos operem normalmente para que grupos de assistência, organizações e governo possam pagar salários com suas próprias reservas e assistência financeira internacional", apelou Muttaqi, segundo a nota, na reunião de Doha.

Os países europeus temem que um colapso da economia afegã provoque a uma saída em massa de migrantes. Esse fluxo pressionaria países vizinhos, como Paquistão e Irã, e, eventualmente, as fronteiras da UE.

Washington e a UE disseram estar preparados para apoiar iniciativas humanitárias no Afeganistão, mas se preocupados em dar assistência direta aos talibãs sem garantias de que respeitarão os direitos humanos, especialmente os das mulheres.

Internacional