PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Conteúdo publicado há
1 mês

EUA testam com sucesso tecnologia de mísseis hipersônicos

Bandeira dos EUA e Casa Branca - Reprodução
Bandeira dos EUA e Casa Branca Imagem: Reprodução

Da AFP, em Washington (EUA)

21/10/2021 20h01

Os Estados Unidos testaram com sucesso a tecnologia de mísseis hipersônicos, um novo sistema bélico que já foi empregado por China e Rússia, informou a Marinha americana nesta quinta-feira (21).

O teste, realizado na quarta-feira nas instalações da Nasa em Wallops (Virgínia), é um "passo vital no desenvolvimento de um míssil hipersônico comum desenhado pela Marinha", reforçou a Marinha em um comunicado.

"Este teste demonstrou tecnologias hipersônicas avançadas, capacidades e sistemas de protótipo em um entorno operacional realista", explicou.

Os mísseis hipersônicos, assim como os balísticos tradicionais, podem voar a mais de cinco vezes a velocidade do som (Mach 5). No entanto, são mais manobráveis do que os balísticos e podem traçar uma trajetória baixa na atmosfera, o que dificulta sua neutralização.

O embaixador Robert Wood, representante permanente dos Estados Unidos na Conferência do Desarmamento, expressou sua preocupação no começo desta semana após os informes de que a China tinha feito um teste em agosto com um míssil hipersônico com capacidade nuclear.

Segundo o jornal Financial Times, a China lançou um míssil hipersônico que completou uma volta ao mundo antes de aterrissar, falhando em alcançar seu objetivo.

"Estamos muito preocupados com o que a China está fazendo na frente hipersônica", admitiu Wood, que na semana que vem deixará o cargo em Genebra depois de sete anos.

A China insistiu em que o teste era rotineiro para uma nova espacial e não para um míssil.

Wood alertou que a Rússia também dispõe de tecnologia hipersônica e que, embora os Estados Unidos tenham se abstido de desenvolver uma capacidade militar neste campo, agora não tem outra opção do que responder da mesma forma.

A China apresentou em 2019 um míssil hipersônico de médio alcance, o DF-17, capaz de percorrer 2.000 km e que pode transportar ogivas nucleares.

O míssil mencionado no artigo do Financial Times é outro, de maior alcance. Pode ser posto em órbita antes de voltar à atmosfera para alcançar seu objetivo.

A Rússia lançou recentemente um míssil hipersônico, o Zircon, de um submarino, e desde o fim de 2019 tem em serviço mísseis hipersônicos com capacidade nuclear Avangard, capazes de viajar até Mach 27, mudando de rumo e altitude.

O Pentágono espera desenvolver suas primeiras armas hipersônicas até 2025 e disse que são uma de suas "maiores prioridades".

Internacional