PUBLICIDADE
Topo

Coronavírus

Conteúdo publicado há
1 mês

Secretário-geral da ONU critica fechamento de fronteiras por ômicron: 'Imoral'

Para chefe da ONU, restrições a viagens isolam países da África e são "injustas" e "ineficazes" - Daniel Muñoz/AFP
Para chefe da ONU, restrições a viagens isolam países da África e são "injustas" e "ineficazes" Imagem: Daniel Muñoz/AFP

01/12/2021 16h31Atualizada em 01/12/2021 17h25

O secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, garantiu nesta quarta-feira (1º) que os fechamentos de fronteira impostos a determinados países ou regiões devido ao surgimento da nova variante da covid-19 são "injustos" e "ineficazes".

"Com um vírus que realmente não tem fronteiras, as restrições de viagem que isolam qualquer país ou região não são apenas profundamente injustas e punitivas, mas também ineficazes", disse Guterres em coletiva de imprensa, pedindo a realização de mais testes nos viajantes.

Dezenas de países fecharam suas fronteiras com as nações do sul da África após o surgimento da variante ômicron na região, em 24 de novembro.

Os países não deveriam "ser punidos coletivamente por terem identificado e compartilhado informações científicas e de saúde cruciais com o mundo". É "injusto" e "imoral", repetiu.

Ao seu lado, o presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, também denunciou a "estigmatização injustificada" do continente africano.

"Por ter sido transparente (...) toda a África Austral sofreu sanções", lamentou, citando o fechamento das fronteiras aos seus cidadãos.

"Menos de 6% dos africanos estão vacinados", disse ele ao pedir solidariedade internacional para aumentar a imunização no continente.

Por sua vez, Guterres destacou seu apelo para que os países, ao invés de fecharem suas fronteiras, testem mais os viajantes ou tomem outras medidas "realmente eficazes".

Coronavírus