Conteúdo publicado há 1 mês

Chefe da Otan: 'O caminho para a paz envolve mais armas para a Ucrânia'

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que um fluxo permanente de armamento ocidental é vital para conseguir a paz na Ucrânia e fez um chamado para "fazer a China pagar" por seu apoio à Rússia. 

"Pode parecer um paradoxo, mas o caminho para a paz envolve mais armas para a Ucrânia", disse Stoltenberg nesta segunda-feira (17) no Wilson Center durante uma visita a Washington. 

Stoltenberg, que em breve deixará seu cargo à frente da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), chegou à capital americana para ajustar detalhes com vista à próxima cúpula da aliança, que será realizada em Washington em julho, no marco de seu 75º aniversário.

Em sua agenda, está um encontro com o presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, na tarde desta segunda, na Casa Branca.

Stoltenberg afirmou também que o presidente chinês, Xi Jinping, "tenta transmitir a impressão de que neste conflito está sentado no banco de trás, para assim evitar sanções e manter o comércio funcionando".

"Mas a realidade é que a China está alimentando o maior conflito armado na Europa desde a Segunda Guerra Mundial, e ao mesmo tempo, quer manter boas relações com o Ocidente", declarou.

"Pequim não pode ter ambos. Em algum momento - e a menos que a China mude seu rumo - os aliados devem fazê-la pagar um preço. Deveria haver consequências", disse o chefe da Aliança Atlântica.

A Otan, liderada pelos Estados Unidos, critica a ajuda à campanha militar russa fornecida pela China e suas empresas, que fornecem componentes e equipamentos para a reconstrução e manutenção do setor de defesa de Moscou.

Pequim sustenta que não oferece apoio armamentista a nenhum dos lados, ao contrário dos Estados Unidos e outros países ocidentais.

Continua após a publicidade

A China não esteve presente no fim de semana na Suíça para uma cúpula por um acordo de paz na Ucrânia, promovida pelo presidente Volodimir Zelensky, que reafirmou o pedido de Kiev para que a Rússia retire suas tropas do território para pôr fim ao conflito.

A Rússia insiste que quer diálogo, mas que só participaria de negociações de paz se a Ucrânia se retirasse das quatro regiões em que Moscou assumiu o controle.

Stoltenberg destacou também que a Otan assumirá o apoio militar ocidental à Ucrânia, até agora comandado pelos Estados Unidos, conforme decidiram os ministros de Defesa da aliança na semana passada em Bruxelas.

sct/des/nn/mel/dd/ic

© Agence France-Presse

Deixe seu comentário

Só para assinantes