PUBLICIDADE
Topo

Política

Tensão envolve o MBL em manifestação a favor de Moro no Rio

30.jun.2019 - Protesto a favor do presidente Bolsonaro em Copacabana no Rio de Janeiro neste domingo   - cdsantos/Futura Press/Folhapress)
30.jun.2019 - Protesto a favor do presidente Bolsonaro em Copacabana no Rio de Janeiro neste domingo Imagem: cdsantos/Futura Press/Folhapress)

Denise Luna

No Rio de Janeiro

30/06/2019 14h20

A presença de carros de som e de integrantes do movimento MBL na manifestação de apoio ao ministro da Justiça, Sergio Moro, na praia de Copacabana, foi criticada por boa parte dos apoiadores do ex-juiz e chegou a causar um pequeno tumulto que precisou da intervenção da polícia.

O clima contra o MBL foi marcado por tensão, e eleitores de Bolsonaro que não fazem parte do movimento fizeram questão de gritar "traidores" e "vendidos" ao passarem pelos carros de som patrocinados pelo movimento antes liderado pelo hoje deputado federal Kim Kataguiri.

De acordo com o técnico em segurança do trabalho, Henrique Andrade, 44, uns dos que gritavam em frente ao carro de som contra o MBL, o movimento mudou depois que assumiu cargos públicos e agora "estariam se vendendo" no Congresso.

"Eu acompanho o MBL desde o começo e não reconheço mais, estão se vendendo para o Freixo, para o Eduardo Cunha, para o Rodrigo Maia", disse ao Estadão."Eles (MBL) vão ter que fazer muito para limpar a barra deles com a gente", completou.

Outra crítica ao MBL se deu pela ausência na última manifestação de apoio ao presidente Bolsonaro. Andrade defendeu Moro contra as acusações feitas pelo site Intercept e afirmou que "os fins justificam os meios", dando respaldo ao suposto abuso do poder de Moro denunciado pelo veículo.

De cima do carro de som, representantes do MBL criticaram a "divisão que a direita quer fazer" e colocaram em seguida músicas em linha com os apoiadores do ex-capitão, como a que diz que "só quer uma arma pra se defender" seguida de "o Congresso Nacional, a vergonha do Brasil", que também critica o STF.

Política