Topo

Com presença de Eduardo Bolsonaro, evento conservador tem críticas à ONU

Eduardo Bolsonaro, Antonio de Rueda, vice-presidente do PSL, e Matt Schlapp, presidente da União Conservadora Americana, em entrevista no CPAC Brasil - Bernardo Barbosa/UOL
Eduardo Bolsonaro, Antonio de Rueda, vice-presidente do PSL, e Matt Schlapp, presidente da União Conservadora Americana, em entrevista no CPAC Brasil Imagem: Bernardo Barbosa/UOL

Iander Porcella

São Paulo

11/10/2019 20h22

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), filho do presidente Jair Bolsonaro, participa hoje, da edição brasileira da Conferência de Ação Política Conservadora (CPAC), em São Paulo. O CPAC é o maior evento conservador dos Estados Unidos, onde a primeira edição aconteceu em 1973, e ocorre pela primeira vez no Brasil.

Durante coletiva de imprensa na abertura do evento, Eduardo elogiou o discurso do pai na abertura da Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em setembro, e disse que a ONU tem se afastado de seu propósito. "Tem se tornado praxe grupos minoritários que têm usado a ONU para, de cima para baixo, obrigar países a adotarem políticas como a ideologia de gênero, passando por cima dos Congressos Nacionais", afirmou o filho 03 do presidente Jair Bolsonaro.

O presidente da American Conservative Union (ACU, União Conservadora Americana em inglês), Matt Schlapp, que também participa do evento, endossou as críticas de Eduardo a organismos multilaterais.

"Organismos internacionais não podem dizer ao povo americano o que devem ou não fazer", disse Schlapp, acrescentando que veio ao Brasil para ver "o que está acontecendo" aqui. "Eu quero que os brasileiros tomem suas próprias decisões", afirmou.

Schlapp disse, ainda, que os conservadores não são "globalistas". "Essas políticas globais estão nos prejudicando, nossas crianças, nossas famílias. "A politização das nossas crianças é um problema", completou.

Política