Cadastro de pedófilos: STF deve decidir nesta sexta se autoriza lista de condenados em MT

O Supremo Tribunal Federal deve finalizar nesta sexta-feira, 1º, o julgamento do Cadastro Estadual de Pedófilos do Estado de Mato Grosso - uma lista de pessoas suspeitas, indiciadas ou já condenadas por crimes contra a dignidade sexual de crianças e adolescentes. A Corte máxima ainda pode bater o martelo sobre a possibilidade de veiculação na internet de lista de pessoas condenadas por crimes de violência contra a mulher.

Os ministros terão até as 23h59 desta sexta para votar sobre a constitucionalidade de duas leis estaduais, em 2015 e 2019, e que posteriormente foram questionadas pelo próprio governo de Mato Grosso.

O julgamento no STF foi iniciado em 2021 e teve reviravoltas - foram realizados dois pedidos de vista (mais tempo para análise) e um de destaque (quando o caso é remetido ao plenário físico).

O tema, no entanto, voltou ao plenário virtual do STF após o relator, Alexandre de Moraes, reajustar seu voto. Inicialmente, ele defendeu a manutenção dos cadastros, argumentando que a medida era justificada pelo ‘interesse no incremento da segurança pública no Estado de Mato Grosso, tendo por finalidade, principalmente, a proteção às mulheres, crianças e adolescentes’.

Em complemento de voto apresentado na sessão virtual em curso, Moraes defendeu ajustes nas leis que instituíram o cadastro, ressaltando o interesse público das listas como ‘instrumentos de acesso, compartilhamento e consulta’ de dados que ‘podem contribuir para o encaminhamento de novas investigações penais, além de constituírem informações de interesse da própria sociedade, que tem um legítimo direito de conhecer e de se informar sobre a prática desses crimes (sexuais) em sua região’.

Nessa linha, o ministro defendeu que o STF delimite que o Cadastro Estadual de Pedófilos seja constituído a partir de dados do agente ‘já condenado’, excluindo ‘suspeitos e indiciados’ da lista. Além disso, propôs que somente sejam disponibilizados, na internet, os nomes de sentenciados definitivamente, ou seja, quando a condenação já tenha transitado em julgado.

O novo posicionamento de Moraes se alinha com o que foi externado pela ministra Cármen Lúcia em uma sessão de julgamento anterior do mesmo caso. A ministra ainda não se manifestou na retomada da discussão sobre o caso.

O ministro Gilmar Mendes divergiu parcialmente do voto de Alexandre de Moraes. Além das mudanças sugeridas pelo relator, o decano defende ajustes em trechos da lei que, em sua avaliação, permitem a identificação das crianças e adolescentes vítimas de crimes sexuais. Os artigos versam sobre a disponibilização de dados de grau de parentesco entre o agressor e a vítima, informação sobre a idade da vítima, assim como das circunstâncias em que o crime foi praticado.

Em uma sessão de julgamento anterior, o voto de Gilmar foi acompanhado pelos ministros Edson Fachin, Dias Toffoli e Cristiano Zanin. Eles ainda não se manifestaram na sessão que termina nesta sexta-feira, 1º.

O ministro Luís Roberto Barroso também divergiu de Moraes, mas não detalhou os termos da discordância - não depositou voto escrito no plenário virtual. Segundo o complemento de voto de Moraes, na sessão de julgamento anterior, Barroso divergiu apenas para fazer com que os nomes disponibilizados na internet sejam de condenados definitivamente.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora