Papa anuncia doação de 100 mil euros aos moradores de Aleppo

Na Cidade do Vaticano

  • Filippo Monteforte/ AFP

Durante o seu retiro espiritual de Quaresma na cidade de Ariccia, a cerca de 30 km de Roma, o papa Francisco realizou na manhã desta sexta-feira (10) uma missa especial para a Síria e anunciou que doará 100 mil euros (cerca de R$ 335 mil) aos moradores de baixa renda de Aleppo, palco de conflitos há quatro anos.

O pontífice "nesta manhã, celebrou em Ariccia a missa para a Síria e enviou 100 mil euros aos pobres de Aleppo, graças também a uma contribuição da Cúria Romana", disse a vice-diretora da assessoria de imprensa vaticana, Paloma Ovejero.

"A doação será feita pela Esmolaria Apostólica através da Custódia da Terra Santa [província religiosa da Ordem dos Frades Menores no Oriente Médio]", afirmou a funcionária da Santa Sé.   

A boa ação de Francisco já foi informada e comemorada pela igreja síria. "Não nos sentimos sozinhos, não nos sentimos abandonados e sabemos que somos parte de uma grande família que é a Igreja de Cristo. Isso nos dá coragem, esperança e força para suportar tantas coisas", disse o vigário apostólico de Aleppo, monsenhor Georges Abou Khazen.

"Estamos felizes e não vemos a hora de dizer isso [sobre a doação] aos nossos fieis que continuam na cidade. A notícia me foi dada há pouco tempo pelo padre Giulio Michelini, que foi telefonado pelo próprio papa Francisco para guiar os exercícios espirituais da Cúria Romana", disse o vigário franciscano.

Sobre a cidade síria em si, o monsenhor afirmou que há "sinais de melhora, na segurança principalmente". "De alguns dias para cá está voltando em alguns quarteirões de civis a energia elétrica e esperamos também a volta da água. Mas as necessidades materiais aqui continuam enormes", lamentou.

Segundo Abou Khazen o trabalho e a casa devem ser as prioridades dos 100 mil euros doados pelo papa. "Se um pai de família consegue a encontrar trabalho e reconstruir sua casa, não deixará Aleppo. Esperamos que logo comece a reconstrução que trará consigo tantos trabalhos", disse o franciscano.   

O vigário também espera que "este gesto do papa, a proximidade de toda a Igreja possa permitir que várias de nossas famílias voltem" e disse que esse dinheiro do Vaticano "é uma mensagem à diplomacia para que encontre uma solução justa e pacífica para esta guerra que ninguém quer", concluiu Abou Khazen. 


Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos