Topo

Salvini fecha portos para desembarque de navio de imigrantes

2019-06-15T11:33:00

15/06/2019 11h33

ROMA, 15 JUN (ANSA) - O ministro do Interior e vice-premier da Itália, Matteo Salvini, anunciou neste sábado (15) o fechamento dos portos italianos para o desembarque de 52 imigrantes resgatados pela ONG alemã Sea Watch na costa da Líbia, no Mediterrâneo Central, na última quarta-feira (12).   

"Acabei de assinar a proibição de entrada, trânsito e parada para o navio da ONG Sea Watch 3 em águas italianas, como previsto pelo novo Decreto de Segurança", escreveu no Twitter.   

Segundo o vice-premier, o documento ainda deve ser assinado pelos ministros de Tranportes e Defesa da Itália para barrar "os cúmplices de contrabandistas e traficantes".   

A entidade, por sua vez, afirmou que está esperando um porto de segurança há três dias para realizar o desembarque e ressaltou estar a cerca de 16 milhas da ilha de Lampedusa. "Nós nunca levaremos ninguém de volta à Líbia", reiterou a porta-voz da ONG Sea Watch, Giorgia Linardi, afirmando que "a Líbia não é um refúgio seguro".   

"As pessoas a bordo nos disseram que haviam passado longos períodos de detenção na Líbia e sofreram assédio indescritível", acrescentou ela. Salvini, no entanto, avisou que o desembarque deve ser feito em Trípoli, onde as autoridades têm os portos abertos. Além disso, o ministro italiano recusa a hipótese de o Sea Watch 3 se dirigir para Malta, como alternativa. "Os portos italianos permanecem barrados. O Sea Watch tem carregado a bordo os imigrantes que estavam prestes a ser resgatados pela guarda costeira da Líbia", escreveu o vice-premier italiano na rede social. De acordo com a lei internacional as embarcações são obrigadas a levar os migrantes para o porto seguro mais próximo. Por essa razão, Salvini alega que deverá ser a Líbia a acolher o navio de resgate.   

A proibição acontece na mesma semana em que o Conselho dos Ministros da Itália aprovou uma nova versão do Decreto de Segurança e Imigração, principal instrumento do governo para combater os fluxos migratórios no Mediterrâneo. O novo texto prevê multas de 10 mil a 50 mil euros para os comandantes de navios que violarem proibições de navegar ou estacionar em águas territoriais italianas. (ANSA)
Veja mais notícias, fotos e vídeos em www.ansabrasil.com.br.


Mais Internacional