Decisões de Obama sobre conflito entre Israel e Palestina são tímidas e tardias?

  • Menahem Kahana/AP

    30.set.2016 - O presidente dos EUA, Barack Obama (esq), e o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu,conversam durante o funeral do ex-presidente e ex-premiê israelense Shimon Peres em Jerusalém

    30.set.2016 - O presidente dos EUA, Barack Obama (esq), e o premiê de Israel, Benjamin Netanyahu,conversam durante o funeral do ex-presidente e ex-premiê israelense Shimon Peres em Jerusalém

Olhando os últimos acontecimentos e decisões diplomáticas sobre o conflito entre Israel e Palestina, muitos estão se perguntando: Por que agora? Qual é a jogada do governo de Barack Obama? Essas ações não são um pouco tímidas? E não foram tomadas tarde demais?

As questões começaram na semana passada, logo após um passo inesperado do governo americano. O país optou pela abstenção em uma votação no Conselho de Segurança da ONU, o que permitiu que fosse aprovada uma resolução condenando os assentamentos israelenses na Palestina.

E os que já desaprovam a política externa do governo americano intensificaram suas críticas depois do discurso do secretário de Estado americano, John Kerry, na quarta-feira. Na ocasião, ele disse que condenar os assentamentos estava alinhado com o ideal americano e disse que o acordo de paz estava sob risco.

O ex-diplomata americano Elliot Abrams afirmou que o discurso "era a última defesa de uma política que não atingiu nada, apenas prejudicou relações bilaterais".

Outros sugerem que não há nada de novo nas soluções apresentadas por Kerry - qualquer um familiar com o conflito Israel-Palestina conhece as fórmulas sobre os assentamentos, Jerusalém, refugiados, etc.

Afirmam também que o momento em que essas propostas foram apresentadas, nos últimos dias do governo, as transformam em algo completamente inútil.

A questão iraniana

O colunista Avi Issacharoff, do jornal The Times of Israel, disse que Kerry colocou objetivos que "qualquer pessoa razoável sabe que já são a base para qualquer negociação futura entre os dois lados".

Issacharoff, que já elogiou os primeiros esforços da equipe do presidente americano para quebrar o impasse entre israelenses e palestinos, disse que Kerry e Obama permitiram que a solução da criação de dois Estados "desaparecesse da história".

"Eu acreditava, de início, nas incessantes tentativas de Kerry para resolver o conflito. Mas, em dado momento, ele desistiu. Talvez tenha sido Benjamin Netanyahu que o decepcionou, talvez tenha sido (o porta-voz do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Mahamoud) Abbas. Talvez os dois", escreveu o analista.

"Mas Kerry e o governo americano ergueram uma bandeira branca e decidiram focar obsessivamente em uma questão: o acordo nuclear com o Irã. Abandonaram a Síria para a Rússia e permitiram um genocídio. E desistiram de tentar levar Israel e Palestina para a mesa de negociações."

É fato que os esforços iniciais de Obama não deram resultados. E parece provável que um relação complicada com o líder israelense foi um dos motivos. A obstinação do americano pelo acordo nuclear com o Irã também inflamou as hostilidades de Netanyahu.

Mas, na realidade, o processo de paz começou a se tornar moribundo anos antes de Obama assumir. Era preciso de algo próximo de um milagre para fazê-lo sobreviver.

A Primavera Árabe, que derrubou regimes e levou a Líbia e a Síria à guerra, também parecem ter dado à Casa Branca e ao Departamento de Estado outros temas mais urgentes para se preocupar.

Em chamas

É claro que a violência continuou lá, especialmente entre 2014 e 2015, durante o conflito entre Israel e a Faixa de Gaza. Mas com boa parte do Oriente Médio em chamas, esses confrontos pareciam seguir um padrão que já era conhecido por todos.

Mas, assim como Kerry notou, a situação se deteriorou rapidamente. O que parecia mais do mesmo - violência e ampliação dos assentamentos em terras ocupadas - acabou, na verdade, enterrando todas as expectativas em relação às negociações sobre os assentamentos e à solução de dois Estados.

O discurso de Kerry foi forte e passional, mostrou suas convicções e temores de uma maneira raramente vista em líderes americanos.

Mas e daí? A apenas três semanas até o fim do governo Obama, e com um presidente eleito pró-Israel, qual o objetivo de apenas mostrar a situação? Após anos de inércia, será que essa intervenção tardia pode trazer algo de positivo?

Presidentes em fim de mandato ocasionalmente sentem a necessidade de deixar seu marco no conflito Israel-Palestina antes de entregarem a chave da Casa Branca para o seu sucessor.

Negociações em Paris

Bill Clinton fez isso em 2000, anunciando um conjunto de "parâmetros", em tons similares aos de Kerry, mas de uma maneira um pouco mais detalhada.

Esses parâmetros foram seguidos no ano seguinte, em uma reunião em Taba (no Egito) entre negociadores palestinos e israelenses, no momento em que chegaram mais perto de um acordo do que nunca.

Mas o fim do governo Clinton coincidiu com a derrota do então premiê israelense Ehud Barak nas eleições. Com Ariel Sharon no poder, as medidas que haviam sido concordadas até então foram abandonadas rapidamente.

E, mais uma vez, uma conferência pela paz também já está agendada. Representantes de dezenas de países vão se reunir em Paris em janeiro para discussões que podem pautar outra resolução no Conselho de Segurança da ONU, antes de Donald Trump assumir a Casa Branca.

Mas os presságios não são bons. Quando as negociações de Taba estavam se encerrando, um funcionário do governo palestino me disse que, pela primeira vez, ele e seus companheiros viam um plano viável.

Será que as discussões em Paris podem resultar em um outro plano, selado com a aprovação da ONU?

Há chances de que isso ocorra. Mas com Trump dizendo a Israel "se manter forte" e prometendo um apoio mais robusto a Netanyahu, o governo israelense (o mais de extrema direita na história do país) pode decidir apenas não agir e esperar a tempestade passar.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos