Topo

O Crime de Alcácer: o caso de estupro e assassinato de 3 jovens que marcou a Espanha e virou série da Netflix

Julia Tena de la Nuez - BBC News Mundo

26/06/2019 17h10

Vinte e sete anos após desaparecimento de adolescentes, documentário analisa o processo de investigação, as diferentes teorias e o papel da imprensa na cobertura do caso.

Em 13 de novembro de 1992, Antonia Gómez, Desireé Hernández e Miriam García desapareceram nos arredores de Alcácer, município da Comunidade Valenciana, na Espanha.

As três adolescentes, com idades entre 14 e 15 anos, estavam a caminho de uma boate em uma cidade vizinha quando, de acordo com informações oficiais, pediram carona e entraram em um carro ocupado por pelo menos dois homens.

Nunca voltaram para casa.

Em 27 de janeiro de 1993, três meses após o desaparecimento, dois apicultores encontraram seus corpos em um lugar conhecido como La Romana, a cerca de 50 quilômetros da cidade de Valência.

Os corpos mostravam sinais de agressão sexual e tortura.

O caso voltou aos holofotes após a estreia, em 14 de junho, da série do Netflix Crime de Alcácer. O documentário, dividido em cinco partes, analisa o processo de investigação, as diferentes teorias que surgiram e o papel da imprensa na cobertura do episódio.

Um evento midiático

O Crime de Alcácer foi um dos mais midiáticos na história da Espanha.

Desde o primeiro momento, se estabeleceu uma forte concorrência entre os meios de comunicação, no intuito de obter o máximo de detalhes sobre as jovens e suas famílias.

As equipes de filmagem se deslocaram para Alcácer, uma cidade de apenas 8 mil habitantes, para entrevistar os pais, parentes e amigos das adolescentes.

A imprensa anunciou a descoberta dos três corpos antes mesmo de alguns membros das famílias terem sido notificados. A mãe de Miriam Garcia, por exemplo, ficou sabendo pela televisão que o corpo da filha tinha sido encontrado.

"Na ausência de dados sobre o ocorrido, o furo era focar no sofrimento", explica a cientista política Nerea Barjola no livro Microfísica Sexista del Poder: el Caso Alcàsser y la Construcción del Terror Sexual (Microfísica Sexista de Poder: o Caso Alcácer e a Construção do Terror Sexual, em tradução livre).

"Primeiro, mostravam a dor, a indignação, a vingança... depois, não há mais como voltar atrás: as meninas são públicas, sua dor é pública, suas vidas, suas vozes são públicas, sua história é pública. E, sobretudo, seu corpo é público", escreveu a autora.

Terror sexual

"Abordei esse tema porque estava interessada em investigar como as representações sobre o perigo sexual determinam e coagem o comportamento das mulheres", diz Barjola à BBC News Mundo, serviço em espanhol da BBC.

"Comecei a pensar, então, sobre as representações que me colocaram em contato com o terror sexual pela primeira vez, isto é, com o medo de que algo pode acontecer com você porque você é mulher."

"Foi quando eu pensei no caso de Alcácer."

De acordo com Barjola, a história contada pela imprensa focou nas ações dos adolescentes.

"Na época, se falava muito que elas tinham pedido carona", explica. "Praticamente toda a narrativa girava em torno disso, de que se elas não tivessem pedido carona, nada disso teria acontecido", acrescenta.

"E por extensão, esse é um aviso para o resto das mulheres. Determinaram diretrizes de comportamento e limites que não poderíamos ultrapassar. E se a gente ultrapassasse, ao andar livremente na rua ou pegar uma carona, que era uma forma segura na época de se deslocar de um lugar para outro, poderia acontecer o que aconteceu com elas."

"A mídia nos convidou a reformular nosso comportamento, em vez de colocar o foco do debate no sistema machista em que vivemos e que permite aos homens ter esse privilégio sobre nossos corpos e nossas vidas", argumenta Barjola.

Exploração da dor

Alcácer se tornou praticamente um grande estúdio de televisão em que jornalistas e comentaristas falavam sem pudor sobre o estado dos corpos e as condições em que haviam sido encontrados.

Imagens e depoimentos dolorosos foram retransmitidos sem qualquer tipo de ética - como a entrevista que uma apresentadora fez com o vice-prefeito da cidade apenas um dia após os corpos terem sido encontrados.

"Eu gostaria de saber, sei que é muito difícil e na frente de tantas pessoas que estão aqui hoje à noite, é muito difícil... você poderia me dizer se, de acordo com os resultados da autópsia, os corpos foram agredidos e violentados?", perguntou a apresentadora do programa que estava sendo transmitido ao vivo do auditório principal da cidade com todos os familiares das vítimas presentes.

Os apicultores que encontraram os corpos também foram convidados a falar no estúdio de televisão, respondendo a perguntas sobre o estado dos cadáveres na presença das famílias das adolescentes.

"Ambos os homens, visivelmente afetados, ainda mais na presença das famílias das adolescentes, responderam às perguntas como podiam. A declaração é apresentada na tela coberta pela imagem da mãe de uma das jovens abraçada à fotografia da filha, amparada pelo marido, enquanto desmorona com o relato dos apicultores", escreve Barjola em seu livro.

"A declaração dos apicultores é um sofrimento gratuito que não esclareceu o que aconteceu, pelo contrário. A semente do entretenimento estava sendo plantada, baseada na agressão e na tortura sexual das mulheres", diz a cientista política.

Como consequência dessa cobertura, o público teve acesso a dados e imagens muito precisos sobre a agonia sofrida pelas adolescentes.

Um terror persistente

Miguel Ricart, único réu do caso, foi condenado a 170 anos de prisão. Mas há quatro anos, foi libertado.

Outro suspeito de envolvimento no crime, Antonio Anglés, fugiu quando ia ser preso - e continua foragido.

Mas o relato de terror sexual não terminou em Alcácer.

"Todas nós fomos criadas com algum caso Alcácer", explica a jornalista Noemi López Trujillo, especializada em questões de gênero, à BBC News Mundo.

"Após o caso das meninas de Alcácer, houve o de Rocío Wanninkhof, que saiu à noite para ir a uma feira e desapareceu em 1999; de Marta del Castillo, que saiu para passear e nunca mais voltou para casa; de Diana Quer, que sumiu após sair de uma festa...", enumera.

"A mensagem que está sendo enviada para nós é que nossos corpos são públicos, não apenas no momento do estupro ou assassinato, mas depois, porque nossos corpos serão expostos o tempo todo na mídia, com manchetes como 'Assim encontraram os corpos das meninas de Alcácer', informando quantas vezes violentaram esses corpos, quantas vezes foram esfaqueados, se sofreram ou não sofreram."

"Esse tipo de cobertura acontece o tempo todo na imprensa, está presente o tempo todo, e tudo isso alimenta o nosso medo", explica a jornalista.

Barjola diz que, após o caso Alcácer, a tendência dos meios de comunicação continua sendo a de construir narrativas que especifiquem certos detalhes capazes de produzir terror sexual.

"E é assim que as mulheres reformulam suas atitudes, que nos negamos espaços, desejos e práticas", diz a cientista política.

"A maneira de difundir o terror sexual é por meio de histórias. E todas as histórias determinam padrões de comportamento."


Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

https://www.youtube.com/watch?v=4xcZQ9ufxfk

https://www.youtube.com/watch?v=OfzC36k1gjo

https://www.youtube.com/watch?v=upkhZui15nk

Internacional