PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Eleições presidenciais no Uruguai: a situação inédita que adiou definição entre Luis Lacalle Pou e Daniel Martínez

Luis Lacalle Pou (à esquerda), candidato do Partido Nacional, lidera com uma margem pequena de diferença sobre Daniel Martínez, da Frente Ampla - AFP
Luis Lacalle Pou (à esquerda), candidato do Partido Nacional, lidera com uma margem pequena de diferença sobre Daniel Martínez, da Frente Ampla Imagem: AFP

25/11/2019 08h26

Diferença entre os candidatos é tão apertada que a definição vai depender dos chamados "votos observados'.

Em uma situação inédita, o segundo turno das eleições presidenciais no Uruguai, realizado ontem, não tem ainda um vencedor claro.

Com 100% das urnas apuradas, o candidato do Partido Nacional, Luis Lacalle Pou, ficou apenas 1,2 ponto percentuais à frente do presidenciável governista Daniel Martínez, da Frente Ampla.

A diferença entre os candidatos é tão apertada que a definição vai depender dos chamados "votos observados", conforme explicou o Tribunal Eleitoral.

Os "votos observados" são de pessoas que votaram fora da sua zona eleitoral habitual, como mesários que estavam trabalhando e não puderam ir até sua circunscrição eleitoral votar.

Se o número de "votos observados" for praticamente igual ou superior aos votos que separam um candidato do outro, como é o caso, o Tribunal Eleitoral não pode anunciar um vencedor.

E, nas eleições de domingo, Lacalle Pou conquistou 1.168.019 votos, enquanto Martinez obteve 1.139.353 - ou seja, uma diferença de 28.666 votos.

Todavia, os "votos observados" somam 35.229.

"O tribunal não anunciará um vencedor nesta noite", confirmou o presidente do Tribunal Eleitoral, José Arocena, à imprensa no domingo.

Repercussão

De acordo com analistas, Daniel Martínez precisaria de 91% dos "votos observados" para vencer. No primeiro turno, em outubro, ele obteve 27%.

É por isso que o candidato da oposição, Lacalle Pou, declarou ter a "convicção material" de que em 1º de março de 2020 assumirá o governo.

"Além de governar o país, queremos ter uma sociedade pacífica e uma sociedade unida", afirmou o candidato, filho de Luis Alberto Lacalle, que foi presidente do Uruguai entre 1990 e 1995.

Ele também reclamou publicamente de Daniel Martínez não ter telefonado para parabenizá-lo pela vitória, enquanto afirma ter recebido uma ligação do atual presidente, Tabaré Vázquez.

"Obviamente, há como aceitar os resultados. Nós sempre aceitamos da mesma maneira, de um lado ou do outro no balcão, e saberemos oficialmente em alguns dias", acrescentou.

Enquanto isso, Daniel Martínez, o candidato do governo, compareceu perante seus eleitores para fazer uma avaliação do ocorrido e agradecer o apoio de quem votou nele, dizendo que "é preciso esperar para ver os resultados".

Também se mostrou aberto ao diálogo:

"Em nenhuma das opções, o vencedor terá mais de 50% dos votos. Estamos diante da missão histórica de buscar entendimentos que nos permitam pensar em um único país", afirmou Martinez.

Cerca de 2,7 milhões de cidadãos uruguaios foram convocados para ir às urnas no último domingo eleger o próximo presidente, que vai comandar o país de 2020 a 2025.

O resultado das eleições vai definir se o Uruguai vai dar uma guinada para centro-direita ou continuará sendo governado pela Frente Ampla, coalizão de centro-esquerda.

A Frente Ampla marcou a chegada da esquerda na Presidência, como fato inédito na história uruguaia. Até 2004, quando Tabaré foi eleito para seu primeiro mandato presidencial, os partidos Nacional (conhecido como "Blanco") e Colorado, que surgiram no século 19, se alternavam na Presidência.

Tabaré governou o país até 2010, quando passou a faixa para José "Pepe" Mujica que depois, em 2015, a passou de volta para Tabaré.

No primeiro turno, realizado em 27 de outubro, a Frente Ampla obteve 39,2% dos votos, 11% a mais que o Partido Nacional, mas também 11% a menos dos votos necessários para evitar o segundo turno.

A votação deste domingo foi encerrada às 19h30 (horário local), após um dia tranquilo, com participação de cerca de 90% do eleitorado, segundo dados do Tribunal Eleitoral.

O novo presidente vai tomar posse em 1º de março de 2020.

Internacional