PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Europa volta a reunir milhares de pessoas em atos antirracismo

07/06/2020 16h30

Manifestantes saíram às ruas em cidades como Madri, Roma e Londres para novos protestos contra injustiça racial e o maltrato sistêmico de negros pela polícia. No Reino Unido, estátua de comerciante de escravos é derrubada. Milhares de pessoas voltaram às ruas hoje em várias cidades da Europa para protestos antirracismo organizados em apoio às manifestações do movimento Black Lives Matter (Vidas negras importam) que ocorrem nos Estados Unidos após a morte de George Floyd.

Os atos globais refletem o aumento da insatisfação com o maltrato sistêmico de negros pela polícia e foram desencadeados pela morte de Floyd, de 46 anos: em 25 de maio, em Minneapolis, um policial o algemou e pressionou o joelho contra seu pescoço até ele parar de respirar.

Em Londres, milhares de manifestantes se reuniram em frente à embaixada americana para protestar contra a violência policial e a injustiça racial. "O Reino Unido também é culpado", dizia um dos cartazes erguidos pelos britânicos. Em meio à pandemia de coronavírus, alguns dos presentes usavam máscaras com a seguinte frase gravada: "O racismo é um vírus."

Outras cidades do Reino Unido também registraram atos. Em Manchester, centenas de pessoas se aglomeraram em uma praça central e se ajoelharam em silêncio em homenagem a Floyd.

Em Bristol, uma estátua de Edward Colston, comerciante de escravos do século 17, foi derrubada por manifestantes. Erguido em 1895 no centro da cidade, o monumento de bronze foi levado pelos participantes pelas ruas de Bristol até o porto. A estátua já havia sido motivo de controvérsia anteriormente, tendo um cidadão já pedido sua remoção.

Há preocupações com possíveis confrontos em cidades britânicas neste domingo, após 14 membros das forças de segurança terem ficado feridos em Londres no sábado em confrontos registrados ao final dos atos pacíficos, que contaram com a presença da cantora Madonna.

Em Bruxelas, a polícia disparou gás lacrimogêneo e usou canhões de água para dispersar cerca de cem pessoas numa área central da capital belga onde há muitas lojas e restaurantes africanos. Alguns manifestantes foram posteriormente detidos.

Eles faziam parte de uma multidão de cerca de 10 mil pessoas que se reuniram no Palácio da Justiça, muitos usando máscaras faciais e carregando cartazes com frases como "Vidas negras importam - da Bélgica a Minneapolis", "Eu não consigo respirar" e "Parem de matar pessoas negras".

"Black Lives Matter não é somente sobre violência policial. Aqui, nós vivemos a discriminação que outras raças não vivem. Por exemplo, se começamos a procurar um apartamento para alugar, temos dificuldades. Em relação a emprego, estamos em desvantagem. Então não se trata somente de violência policial", conta um manifestante de 25 anos.

Em Roma, milhares de pessoas se reuniram na Piazza del Popolo, onde ouviram discursos por várias horas, ergueram cartazes em apoio ao movimento Black Lives Matter e entoaram gritos de "Sem justiça, não há paz". Em certo momento, os manifestantes, muitos deles jovens, se ajoelharam e ergueram seus punhos em solidariedade àqueles que lutam contra o racismo.

"É muito lamentável, neste atual século 21, que pessoas não brancas sejam tratadas como se fossem leprosas", diz Abdul Nassir, de 26 anos, nacional de Gana e estudante na capital italiana.

Um protesto em Milão também reuniu milhares de pessoas em frente à estação ferroviária central. Muitos dos presentes eram migrantes ou filhos de migrantes africanos. Organizadores disseram à multidão que, na Itália, o slogan do Black Lives Matter significa evitar "ver corpos negros como se eles fossem estrangeiros", e não como cidadãos.

Muitos manifestantes usavam máscaras e luvas descartáveis, e um dos organizadores usou um alto-falante para lembrar as pessoas de não compartilharem objetos e manterem uma distância segura. A Itália relaxou bastante suas medidas de contenção contra o coronavírus nas últimas semanas, enquanto a taxa de contágio tem constantemente diminuído.

As embaixadas dos Estados Unidos foram foco dos protestos em vários lugares da Europa, com mais de 10 mil pessoas reunidas na capital da Dinamarca, Copenhagen, centenas em Budapeste, na Hungria, e milhares em Madri, na Espanha.

Na capital espanhola, muitos carregavam cartazes com frases como "Vidas negras importam", "Direitos humanos para todos" e "O silêncio é pró-racismo". Manifestantes ainda entoaram gritos de "Policiais assassinos!" e "Sem justiça, não há paz". A polícia esteve presente, mas o clima foi pacífico.

Thimbo Samb, porta-voz do grupo que organizou o ato, afirmou que a manifestação é em protesto à morte de George Floyd, mas também visa chamar a atenção para o racismo na Espanha e em outros lugares da Europa. Milhares ainda se reuniram em Barcelona e outras cidades menores.

Em Budapeste, manifestantes ouviram discursos e canções como A change is gonna come, de Sam Cooke, e Redemption song, de Bob Marley, antes de se ajoelharem por 8 minutos e 46 segundos - foi durante esse tempo que Floyd teve seu pescoço pressionado pelo policial.

Floyd morreu após ser detido em Minneapolis, nos EUA. Imagens de celular gravadas por uma testemunha mostram ele deitado ao lado da roda traseira de um veículo, com o policial o prendendo ao asfalto e pressionando o pescoço do detido com o joelho.

Depois de vários minutos, Floyd gradualmente vai ficando quieto e deixa de se mexer. O policial não tira seu joelho do pescoço de Floyd até ele ser colocado numa maca por paramédicos. Uma ambulância levou Floyd a um hospital, onde ele morreu pouco depois.

A morte de Floyd resultou numa série de protestos nos Estados Unidos contra o racismo. Alguns atos foram marcados por distúrbios nas ruas e confrontos violentos entre manifestantes e policiais.

Internacional