PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Partidos chegam a acordo, e Olaf Scholz deve suceder Angela Merkel

27.set.2021 - Olaf Scholz  faze uma declaração à imprensa na sede do partido em Berlim, um dia após as eleições gerais - Odd Andersen/AFP
27.set.2021 - Olaf Scholz faze uma declaração à imprensa na sede do partido em Berlim, um dia após as eleições gerais Imagem: Odd Andersen/AFP

24/11/2021 06h54Atualizada em 24/11/2021 09h28

Após semanas de negociações, social-democratas, verdes e liberais chegam a consenso para formar novo governo na Alemanha, deixando Olaf Scholz mais perto do cargo de chanceler federal.

As negociações entre as três legendas começaram oficialmente no fim de outubro. Após o acordo de coalizão, as legendas esperam agora que o líder social-democrata Olaf Scholz seja eleito pelo Bundestag (Parlamento) na semana do dia 6 de dezembro como sucessor de Angela Merkel no cargo de chanceler federal.

Somente nesta terça-feira, os três partidos chegaram a um consenso sobre o tema proteção climática. Segundo informações obtidas pela emissora ARD, uma expansão maciça das energias renováveis deve ser estipulada no acordo tripartite.

A meta será de que, até 2030, as energias eólica e solar cubram 80% do consumo de energia na Alemanha e um terço dos carros sejam completamente elétricos. Pouco tempo depois, licenças para veículos com motor a combustão deverão deixar de ser concedidas. A coalizão também pretende antecipar o abandono da energia a carvão de 2038 (meta atual) para 2030, segundo a ARD.

De acordo com a emissora, detalhes sobre os controversos temas orçamento e finanças ainda não são conhecidos, nem os nomes dos ministros do novo governo.

"Coalizão semáforo"

O SPD foi o partido mais votado nas eleições gerais de 26 de setembro, com 25,7% dos votos. O Partido Verde obteve o melhor resultado da sua história, com 14,8%, e os liberais alcançaram 11,5%.

Tradicionalmente uma coalizão de governo necessita alcançar a maioria absoluta no Parlamento (o que também garante a eleição do candidato indicado a chanceler pelo Bundestag, o Parlamento alemão), já que os partidos alemães costumam ser avessos a governos de minoria.

Se se concretizar, esta será a primeira aliança tripartidária a governar a Alemanha desde anos 1950. E esta seria a primeira vez que uma "coalizão semáforo"- em alusão às cores dos partidos social-democrata (vermelho), liberal (amarelo) e verde - governaria em nível federal na Alemanha e colocaria fim aos 16 anos de governo conservador sob Merkel.

Chefiado pela chanceler federal, o governo atual é composto pela união entre o partido dela, a União Democrata Cristã (CDU), e seu partido irmão União Social Cristã (CSU) e o Partido Social-Democrata (SPD). A aliança entre as duas maiores bancadas é chamada de "grande coalizão".

Os conservadores amargaram o pior resultado de sua história nas eleições de setembro, obtendo 24,1% dos votos, e uma repetição da aliança com o SPD foi descartada por ambos os partidos.

Internacional