Podemos suspende negociações com o PSOE para a posse de Sánchez

Madri, 24 fev (EFE).- O partido Podermos (esquerda) suspendeu nesta quarta-feira as negociações com os socialistas para a posse de Pedro Sánchez (PSOE) como chefe do Governo depois do pacto assinado por este partido com os liberais dos Ciudadanos.

Sánchez assinou hoje com o líder liberal, Albert Rivera, um acordo para unir as 40 cadeiras dos Ciudadanos às 90 do PSOE e tentar que o líder socialista seja eleito presidente na sessão parlamentar da próxima semana.

O porta-voz de Podemos, Íñigo Errejón, anunciou no Congresso que o pacto PSOE-Ciudadanos frustra a oportunidade de impulsionar um governo de mudança diferente do atual do Partido Popular (PP, centro-direita).

O pacto de socialistas e liberais prevê mais de 200 iniciativas, como modificar a Constituição em alguns pontos, uma reforma tributária e laboral e promover o funcionamento federal da organização territorial da Espanha.

Além disso, contempla a revisão do sistema eleitoral e a modificação do Senado para transformá-lo em um órgão estritamente territorial, além de reduzir o número de senadores.

Segundo explicou Errejón à imprensa, esse pacto é incompatível com as ideias do Podemos, por isso que seus representantes não irão hoje às reuniões com os socialistas.

O PSOE e Podemos abriram uma mesa de diálogo na segunda-feira passada para tentar um acordo destinado à escolha de Sánchez como chefe do Executivo, mas após o pacto socialista com Ciudadanos, esse diálogo foi suspenso.

As eleições legislativas de 20 de dezembro deram ao PP 123 cadeiras, seguido do PSOE (90), Podemos (69) e Ciudadanos (40), na frente de pequenos partidos.

Por isso, após o acordo entre socialistas e liberais, a única possibilidade do líder socialista ser chefe do Governo passa pelo respaldo de Podemos, dado que o PP rejeita desde o primeiro dia essa possibilidade.

Íñigo Errejón se mostrou "decepcionado" com um acordo que, segundo sua opinião, não é nem "progressista e nem reformista" e que além disso "vai fazer as vontades dos setores privilegiados".

O pacto do PSOE e Ciudadanos não só não muda as políticas do PP mas em alguns casos, as aprofunda com a "terceira reforma laboral" encoberta que contém o pacto, acrescentou o porta-voz de Podemos.

No entanto, Errejón disse que a mão segue estendida aos socialistas se modificarem sua atitude porque desde a primeira votação de posse, em 2 de março, terão ainda dois meses de prazo para a escolha de um chefe do Executivo antes da convocação de novos pleito.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos