"Não necessitamos que o império nos presenteie com nada", diz Fidel Castro

Em Havana (Cuba)

  • Efe

    O ex-presidente de Cuba Fidel Castro, em foto de julho de 2015

    O ex-presidente de Cuba Fidel Castro, em foto de julho de 2015

O ex-presidente cubano Fidel Castro afirmou nesta segunda-feira (28) que Cuba não necessita que "o império" lhe presenteie com nada e que o povo deste "nobre e abnegado país" não renunciará "à glória, aos direitos e à riqueza espiritual que ganhou com o desenvolvimento da educação, da ciência e da cultura".

"Não necessitamos que o império nos presenteie com nada. Nossos esforços serão legais e pacíficos, porque é nosso compromisso com a paz e a fraternidade de todos os seres humanos que vivem neste planeta", precisou Castro em artigo publicado hoje pelos veículos de imprensa oficiais da ilha, intitulado "Irmão Obama".

O antigo líder cubano de 89 anos, retirado do poder em 2006, analisa em sua "reflexão" o discurso que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, ofereceu na terça-feira passada ao povo cubano durante sua visita à ilha, a primeira de um líder norte-americano à Cuba revolucionária.

"Somos capazes de produzir os alimentos e as riquezas materiais de que necessitamos com o esforço e a inteligência de nosso povo", ressaltou o líder da revolução cubana em sua primeira reação à visita de Obama a Cuba.

O artigo do ex-presidente, datado às 22h27 de 27 de março, foi divulgado nesta manhã pelos meios de comunicação oficiais da ilha e debulha aspectos das palavras de Obama na terça-feira desde o Grande Teatro de Havana.

Sobre as declarações de Obama a favor de "esquecer o passado e olhar para o futuro", Fidel Castro considera que o presidente dos EUA utilizou as "palavras mais açucaradas" e afirma que os cubanos correram "o risco de um infarto" ao escutar o presidente dos Estados Unidos falar de cubanos e norte-americanos como "amigos, família e vizinhos".

"Após um bloqueio impiedoso que durou quase 60 anos e diante dos que morreram nos ataques mercenários a embarcações e a portos cubanos, além de invasões mercenárias, múltiplos atos de violência e de força?", questiona Fidel.

Segundo ele, "um dilúvio de conceitos inteiramente inovadores" entraram na mente dos cubanos que o escutavam quando este afirmou que sua visita a Cuba tinha o propósito de deixar para trás a Guerra Fria nas Américas e de estender uma "mão de amizade" ao povo cubano.

Castro lembra a Invasão de Baía dos Porcos, quando, em 1961, "uma força mercenária com canhões e infantaria blindada, equipada com aviões, foi treinada e acompanhada por navios de guerra e porta-aviões dos Estados Unidos, atacando de surpresa nosso país".

"Nada poderá justificar aquele ataque que custou a nosso país centenas de baixas, entre mortos e feridos", rememora Fidel Castro, sobre aquele acontecimento que aprofundou a divisão entre EUA e a Cuba Revolucionária.

Fidel Castro também criticou que, nas declarações de Obama sobre a origem mestiça tanto de Cuba como dos EUA, este não tenha mencionado que "a discriminação racial foi varrida pela Revolução", que aprovou "a aposentadoria e o salário de todos os cubanos" antes que de o presidente norte-americano "completar dez anos".

"O odioso costume burguês e racista de contratar aguazís para que os cidadãos negros fossem expulsos de centros de recriação foi varrida pela Revolução Cubana", afirma Castro, que lembrou que a solidariedade cubana também livrou essa luta contra o racismo em Angola e outros povos da África.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

Veja também

UOL Cursos Online

Todos os cursos