Chanceleres de China e Japão se reúnem para reduzir tensões

Pequim, 30 abr (EFE).- O ministro das Relações Exteriores da China, Wang Yi, e do Japão, Fumio Kishida, se reuniram neste sábado em Pequim para tentar reduzir as tensões que levaram à desconfiança entre as duas maiores economias do continente asiático.

Ambos mantiveram um encontro na residência para líderes estrangeiros de Diaoyutai em Pequim neste sábado, na primeira visita de um ministro das Relações Exteriores japonês à China em quatro anos e meio, segundo um comunicado da Chancelaria chinesa.

Na reunião, Wang pediu ações concretas a seu colega japonês para poder restaurar os laços.

"Vimos que o Japão expressou em repetidas ocasiões seu desejo de melhorar a relação bilateral. Como diz um provérbio chinês, devemos julgar não só com base no que as pessoas dizem, mas também no que fazem", destacou o chanceler chinês.

A viagem do ministro japonês acontece em pleno período de tensões entre os dois países, que já se arrasta por quase quatro anos, pela disputa da soberania das ilhas Diaoyu/Senkaku no Mar da China Oriental, e por conflitos históricos derivados de guerras e ocupações lançadas pelo Japão contra a China nos séculos XIX e XX.

Nesse contexto, Wang avaliou que o Japão tinha se oferecido para dar "o primeiro passo" para restaurar as relações, depois que Kishida disse no Japão, antes de partir para a China, que queria dar o primeiro passo "para construir uma relação Japão-China apropriada aos novos tempos", segundo a imprensa japonesa.

Espera-se que o chanceler japonês também se reúna hoje com o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, e que tente assentar o caminho para um encontro entre o presidente da China, Xi Jinping, e o primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe.

Segundo o comunicado do Ministério das Relações Exteriores chinês, que não inclui declarações do chanceler japonês, Wang expressou a vontade de seu país de manter uma relação de cooperação e não de confronto, apesar de ter deixado claro que para isso é necessário "reconhecer a história".

Os veículos de imprensa chineses lembram que as últimas ações do Japão estão muito distantes dessas "mensagens positivas" sobre a melhoria nas relações.

Os meios chineses destacaram, entre outros, o fato de o Japão ter enviado 12 embarcações para patrulhar uma área próxima das ilhas Diaoyu/Senkaku no início de abril, depois da entrada em vigor de um pacote legislativo que outorga maiores competências às Forças de Autodefesa (exército) japonesas.

A reforma, que segundo o Executivo japonês fortalece a aliança de Tóquio com Washington, já que permitirá que ambos "possam se ajudar mutuamente em caso de emergência", é vista por seus críticos, entre eles a China, como uma forma de acabar com o pacifismo defendido pela Constituição japonesa.

Além disso, a imprensa chinesa lembrou as oferendas recentes de políticos japoneses, e inclusive do primeiro-ministro, ao santuário de Yasukuni, em Tóquio, que é ligado ao passado militarista do país e cujo simbolismo é alvo de fortes críticas de países como Coreia do Sul e China.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos