Topo

Alemanha proíbe venda de boneca por ser capaz de fazer espionagem

A boneca Cayla em cena da propaganda do brinquedo - Reprodução
A boneca Cayla em cena da propaganda do brinquedo Imagem: Reprodução

Em Berlim

17/02/2017 10h25

A Agência Federal de Redes da Alemanha proibiu no país a boneca "Cayla", ao considerar que o microfone e a conexão via bluetooth integrados no brinquedo o transformam em um possível instrumento de espionagem não permitido por lei.

"Objetos que ocultam câmeras ou microfones e que podem transmitir dados de forma despercebida ameaçam a esfera privada das pessoas", manifestou em comunicado o presidente da Agência, Jochen Homann.

A entidade pediu aos comércios que retirem a boneca, mas deixou claro que não atuará contra os pais, embora a lei alemã de telecomunicações proíba a posse desse tipo de dispositivos, além de sua fabricação e distribuição.

A Agência especificou que sua missão é informar sobre o perigo que representa "Cayla", mas que não pediu às lojas de brinquedos nenhum dado para identificar os compradores; assume que os pais serão "responsáveis" e que desativarão a boneca.

O problema de "Cayla" está em sua conexão via bluetooth, que permite que qualquer pessoa escute e grave a conversa que mantenha com a boneca sem necessidade de estar presente.

A proibição foi publicada depois que o jornal "Saarbrücker Zeitung" informou do caso, impulsionado por um estudante de Direito da Universidade do Sarre que enviou um relatório à Agência denunciando que a boneca violava a legislação nacional.

Em dezembro, a Organização de Consumidores e Usuários (OCU) da Espanha também advertiu sobre "graves" erros de segurança para a privacidade em "Cayla", disponível em lojas de brinquedos e na internet.

A OCU se baseava em um estudo realizado pelo Conselho de Consumidores Norueguês (Forbrukerradet), que detectou "preocupantes erros em torno da segurança e da privacidade dos menores aos quais estão dirigidos".

A Agência alemã explicou que está analisando outros brinquedos: "Trata-se de proteger os mais frágeis da sociedade", afirmou seu presidente.

Mais Internacional