PUBLICIDADE
Topo

Internacional

Líderes da "revolução dos guarda-chuvas" são soltos após pagar fiança

24/10/2017 07h46

Hong Kong 24 out (EFE).- Dois dos líderes estudantis dos protestos democráticos da chamada "revolução dos guarda-chuvas" de 2014 em Hong Kong, Joshua Wong e Nathan Law, saíram nesta terça-feira da prisão sob fiança após serem condenados por comandar essas históricas mobilizações.

O presidente do Tribunal Final de Apelação de Hong Kong, Geoffrey Ma Tao-li, decidiu hoje pôr em liberdade ambos dirigentes estudantis, que tinham sido presos em agosto deste ano, após o pagamento de uma fiança de US$ 6.400 em ambos casos.

Os líderes da organização política democrática Demosisto tinham sido condenados a penas de entre seis e oito meses de prisão, junto com o ex-líder sindical estudantil Alex Chow, por sua liderança nos enfrentamentos com os escritórios do chefe de governo e do parlamento de Hong Kong, que acabaram gerando uma ocupação que durou 79 dias.

Os três dirigentes já tinham cumprido sentenças relacionadas com trabalhos comunitários no ano passado, ditadas por um magistrado de Hong Kong, mas em agosto, em uma revisão pedida pelo governo local, o Tribunal de Apelações resolveu estender a condenação a penas de prisão.

O trio está à espera de uma apelação ao alto tribunal para que as penas de prisão sejam comutadas pelas ordens de serviço comunitário que cumpriram anteriormente.

Wong, de 21 anos, foi condenado a seis meses de prisão por assembleia ilegal, enquanto Law, de 24 anos e cuja cadeira no parlamento de Hong Kong foi suspensa por uma ordem judicial em julho, foi condenado a passar oito meses atrás das grades.

Chow, que cumpre uma pena de sete meses também por participação em reuniões ilegais, segue na prisão, uma vez que não solicitou a liberdade sob fiança até a data de apelação, cuja primeira audiência pode acontecer no próximo dia 7 de novembro.

Sob o termo de liberdade sob fiança, tanto Law como Wong deverão apresentar-se em dependências policiais uma vez por semana e deverão entregar seus passaportes às autoridades judiciais.

Internacional