Topo

Moreno decreta toque de recolher e uso de militares contra protestos em Quito

9.out.2019 - Manifestantes marcham pelas rua de Quito contra o governo do presidente Lenin Moreno. Sindicatos trabalhistas, grupos de produtores rurais e de indígenas lotaram as ruas da capital do Equador - Rodrigo Buendia/AFP
9.out.2019 - Manifestantes marcham pelas rua de Quito contra o governo do presidente Lenin Moreno. Sindicatos trabalhistas, grupos de produtores rurais e de indígenas lotaram as ruas da capital do Equador Imagem: Rodrigo Buendia/AFP

Quito

12/10/2019 17h23

O presidente do Equador, Lenín Moreno, decretou hoje toque de recolher no distrito metropolitano de Quito e autorizou as Forças Armadas a auxiliar a Polícia Nacional a controlar os protestos registrados hoje em várias áreas da capital do país.

"Determinei o toque de recolher e a militarização do distrito metropolitano de Quito. Passa a valer às 15h (horário local, 17h em Brasília). Isso facilitará a atuação da polícia diante dos intoleráveis desmandos da violência", escreveu o presidente nas redes sociais.

Em outra mensagem, também divulgada pelas redes sociais, o Ministério de Governo pediu que a população volte para casa. "Essa medida (toque de recolher) estará vigente até novo aviso. Informem-se por canais oficiais", acrescentou o órgão.

A decisão de Moreno deixou os protestos do movimento indígena ainda mais intensos. Antes, desde o início da manhã de hoje, os manifestantes paralisaram Quito com uma série de passeatas e bloqueios por vários pontos da capital. O centro histórico da cidade virou um campo de batalha entre grupos de oposição ao governo e as forças de segurança.

No entanto, no início da tarde, a Confederação de Nacionalidades Indígenas do Equador (Conaie) divulgou comunicado informando que aceitaria a proposta de diálogo feita pelo presidente.

A organização disse manter o objetivo de revogar o polêmico decreto que pôs fim ao subsídio estatal sobre os combustíveis, mas topa revisá-lo durante as negociações. A mudança de postura, segundo a Conaie, ocorreu após consulta aos diferentes movimentos que participam dos protestos contra o governo há dez dias. EFE

Internacional